Dólar segue volátil e fecha a R$ 1,725 para venda

SÃO PAULO, 22 de outubro de 2009 - A moeda norte-americana teve um dia de volatilidade, após abrir com valorização de 0,58%, encerrou o dia com leve queda de 0,06%, cotada a R$ 1,725 para venda. Diante do fluxo positivo o Banco Central (BC) prossegue com os leilões de compra diário. Hoje, a autoridade monetária fixou taxa de corte de R$ 1,7344.

Os agentes ainda estão assimilando a taxação do capital estrangeiro, que começou a valer na terça-feira no Brasil. O objetivo da nova medida é de conter a queda brusca do dólar, que já tem perda acumulada de 24% no ano, e assim, prejudicar menos os exportadores que sofrem com a valorização do real e o encarecimento dos produtos nacionais.

O governo brasileiro anunciou na segunda-feira a cobrança de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) com alíquota de 2%, no momento do ingresso do capital, sobre entrada de dólares para compra de títulos de renda fixa (inclusive títulos públicos) e variável (inclusive Bolsa), sem vinculação com prazo de permanência.

Os agentes repercutiram ainda balanços de grandes empresas divulgados no Brasil e nos Estados Unidos. Entre as empresas que divulgaram fortes resultados está o McDonald's, nos EUA, e a Natura, no Brasil.

Outra notícia com muita repercussão no mercado foi o crescimento da economia chinesa de 8,9%, que ficou acima da meta do governo, de 8%. O resultado veio abaixo das estimativas dos analistas, que projetavam taxa de 9,1%. O ritmo foi considerado forte e pode estimular discussões envolvendo a retirada dos estímulos dados pelo governo à economia. Os investidores estão preocupados com a possibilidade de que o governo chinês promova alguma calibragem da política econômica já nos próximos meses.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)