Efeito do novo IOF é limitado

SÃO PAULO, 20 de outubro de 2009 - A cobrança de um imposto sobre as aplicações de estrangeiros, como o que está sendo fixado pelo governo do Brasil, fornece apenas alguma proteção contra a valorização cambial e tende a perder efetividade com o tempo, disse Nicolas Eyzaguirre, diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Questionado sobre a taxação do capital externo aplicado em renda fixa e em renda variável, com a alíquota de 2% do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), anunciada ontem pelo governo brasileiro, Eyzaguirre afirmou que duas questões devem ser levadas em conta.

(Redação com agências - Agência IN)