Dificuldade da Caixa de apresentar proposta impede o fim da greve

REUTERS

BRASÍLIA - O principal fator que impede o fim da greve dos bancários da Caixa é a falta de apresentação de uma proposta concreta para os servidores, na opinião do deputado federal Geraldo Magela (PT-DF). Ele participou pela manhã da manifestação dos servidores em greve, na porta da sede da Caixa.

- O que está faltando é uma avaliação no sentido de avançar um pouco mais nas negociações, para enfim chegar a um acordo - disse.

O deputado participa das negociações que resultem no fim da greve, que se estende há 27 dias. Magela disse está na condição de bancário-deputado e espera que seja feito um acordo semelhante ao do Banco do Brasil (BB), que proporcionou ganhos na participação nos lucros e resultados.

- Considero que com a Caixa possa ser feito o mesmo tipo de acordo, que apresente resultados. A minha posição é de buscar avanços - disse.

O Sindicato dos Bancários do Distrito Federal também considera satisfatória a proposta do Banco do Brasil. O diretor financeiro do sindicato, Raimundo Félix, deixou claro que os servidores do BB receberam mais vantagens do que os da Caixa.

- Eles [do Banco do Brasil] deram 3% de plano carreira no salário do trabalhador, além do que a Fenaban ofereceu. Portanto, o aumento real da categoria foi de 9%, e isso deixou os servidores da Caixa chateados - disse.

O diretor admite que a greve já se estendeu por muito tempo, mas critica a empresa por ter ajuizado um pedido de abusividade no Tribunal Superir do Trabalho, TST.

- Consideramos isso uma ofensa, já que estamos abertos ao diálogo.

Raimundo Félix lembrou que o principal prejudicado com a greve é o trabalhador, que muitas vezes só tem a Caixa como opção de banco.

- É ruim para o cidadão, que tem que esperar com as unidades fechadas, principalmente os mais pobres que não têm conta em outros bancos, por isso não estamos satisfeitos com a greve - disse.

A assembléia dos bancários se reúne novamente hoje (20), às 17h, para decidir os rumos do movimento. Para amanhã está agendada uma audiência de conciliação no TST.