Construção nos EUA cresce; preços ao produtor recuam

REUTERS

WASHINGTON - A construção de novas moradias nos Estados Unidos aumentou menos que o esperado em setembro, com uma forte queda nas construções de casas para mais de uma família, o que mostra o ritmo desigual da recuperação da economia norte-americana.

O Departamento de Comércio informou nesta terça-feira que a construção de moradias no país cresceu 0,5%, para uma taxa anualizada e ajustada sazonalmente de 590 mil unidades, abaixo das expectativas do mercado de 610 mil. A construção de moradias em agosto foi revisada para baixo, a 587 mil unidades.

Outro relatório do Departamento de Trabalho mostrou que os preços no atacado (PPI, na sigla em inglês) caíram 0,6% em setembro. Analistas estimavam estabilidade após aumento de 1,7% em agosto.

- Os números do setor imobiliário ainda parecem um pouco brandos, e isso é reflexo da fraqueza do consumidor. Os dados baixos do PPI significam que o Fed está em posição de manter a taxa por enquanto - disse Subodh Kumar, estrategista-chefe de investimentos no Subodh Kumar & Associates, em Toronto.

A construção de moradias para mais de uma família despencou 15,2%, para um ritmo anual de 89 mil unidades. No caso de uma única família, principal componente do mercado imobiliário, a construção cresceu 3,9%, para 501 mil unidades.

Os alvarás para novas construções, um termômetro sobre a atividade futura no setor, recuaram 1,2% em setembro, para um ritmo anual de 573 mil unidades. Foi a maior queda percentual desde abril.

Os preços no atacado caíram 4,8% em setembro na comparação do ano, frente à queda de 4,2% estimada por analistas. Excluindo alimentos e energia, os preços declinaram 0,1% frente ao mês anterior e subiram 1,8% na relação anual.

- O dado cheio do PPI alimenta os temores deflacionários - afirmou Doug Bender, diretor-gerente da McQueen, Ball & Associates.