Dólar inicia semana sinalizando alta

SÃO PAULO, 19 de outubro de 2009 - O mercado de câmbio doméstico inicia a semana sinalizando alta diante da possibilidade de eventual taxação do capital externo por aqui, no entanto, a tendência continua sendo de desvalorização, avalia o economista chefe do Banco Fator, José Francisco Lima Gonçalves. Instante atrás, a moeda norte-americana subia 0,41%, para R$ 1,712 na compra e R$ 1,714 na venda.

As constantes quedas do dólar podem esconder o comportamento da moeda em um futuro próximo, no ano de 2010. Os períodos eleitorais são sempre marcados por grandes solavancos na moeda norte-americana, não apenas no Brasil, mas em todas as principais economias do mundo, comenta Fernando Bergallo, operador sênior de câmbio da Tov Corretora.

Bergallo ressalta ainda que um grande erro do investidor é agir no calor das emoções e não fazer uma análise macro da economia. Precisamos sempre lembrar do que ocorreu em 2002, quando o então candidato Lula, possuía chances reais de ser o novo presidente. O dólar simplesmente disparou e atingiu a incrível marca de R$ 4,00. "Não há dúvidas de que o processo de transição de governo e as eleições como um todo, irão afetar nosso mercado", explica.

Para o operador, alguns fatores, entre eles: o comando do Bacen e o partido que poderá vencer o pleito, deixarão o mercado em alerta. "A luz amarela já está acesa. Hoje, a presença do Henrique Meirelles à frente do Banco Central, traz uma segurança enorme para o investidor externo que movimenta com força o mercado financeiro nacional. Caso os investidores sintam uma insegurança sobre o futuro do País, sem dúvida posições deverão ser reduzidas", avalia.

Ao longo da semana, a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) será o destaque da agenda doméstica. Depois de encerrar o ciclo de queda da Selic iniciado em janeiro, analistas estimam unanimidade a respeito da expectativa de manutenção da taxa básica, nos atuais 8,75% ao ano.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)