Bom humor dos investidores contagia os negócios

SÃO PAULO, 19 de outubro de 2009 - As principais bolsas mundiais encerraram o dia em alta. Os investidores receberam com otimismo os balanços de companhias norte-americanas. Além disso, expectativas sobre o desempenho da economia chinesa também fortaleceram os ganhos.

Diante desse cenário, os índices dos Estados Unidos terminaram a sessão no azul, com destaque para o Dow Jones que se fixou acima dos 10 mil pontos. O Dow Jones subiu 0,96%, para os 10.092 pontos; o Nasdaq ganhou 0,91%, para os 2.176 pontos; e o S&P 500 avançou 0,94%, para os 1.097 pontos.

No mesmo sentido, os índices europeus encerraram valorizados. As bolsas europeias foram influenciadas pela alta dos papéis de empresas do setor energético, que refletem os ganhos recentes do petróleo. O FTSE-100, de Londres, subiu 1,12%, aos 5.281 pontos; o DAX, de Frankfurt, ganhou 1,90%, aos 5.852 pontos; e o CAC-40, de Paris, avançou 1,69%, para 3.892 pontos.

Por aqui, o Ibovespa acompanhou o movimento externo e terminou em terreno positivo. O desempenho também foi influenciado pela valorização das commodities no mercado internacional. Diante disso, a bolsa brasileira avançou 1,57%, aos 67.239 pontos. O giro financeiro da bolsa fechou em R$ 10,49 bilhões, em dia de exercício de opções sobre ações.

Por sua vez, o índice Merval, da bolsa de valores de Buenos Aires, encerrou o dia com ganho de 2,11%, aos 2.253 pontos.

Nas commodities, o barril do petróleo terminou valorizado, diante da perspectiva de recuperação econômica e aumento do consumo de combustível. O preço do barril de petróleo do tipo WTI, com vencimento em novembro, subiu 1,3%, cotado a US$ 79,54 na Bolsa de Mercadorias de Nova York (NYMEX, sigla em inglês). Já o barril do tipo Brent, com vencimento em dezembro, avançou 0,8%, negociado a US$ 77,63 no ICE Exchange de Londres.

Na renda fixa, os contratos de juros futuros mostraram estabilidade no curto prazo e avanço longo prazo. O Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2011, apontou taxa anual de 10,45%. No câmbio, a moeda norte-americana fechou em alta, vendida a R$ 1,71.

(Redação - Agência IN)