Em meio a instabilidade, Ibovespa sobe 0,35%

SÃO PAULO, 15 de outubro de 2009 - Após forte valorização na sessão anterior, impulsionada pelo otimismo externo, a bolsa brasileira opera com instabilidade, com os investidores divididos entre um processo de realização de lucros e de continuidade do movimento comprador. Há pouco, o Ibovespa registrava alta 0,35%, aos 66.431 pontos. O giro financeiro da bolsa estava em R$ 3,02 bilhões.

O desempenho positivo do Ibovespa é sustentado pelas blue chips. Instantes atrás, as ações preferenciais da Vale subiam 0,89%, vendidas a R$ 40,77. Já as preferenciais da Gerdau e ordinárias da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) marcavam valorização de 2,93% e 2,11%, respectivamente. Enquanto isso, os papéis da Petrobras registram leve alta de 0,33%, negociadas a R$ 36,27.

Dentre os destaques do dia, os agentes financeiros monitoraram resultados trimestrais de instituições financeiras norte-americanas, pivô da crise do subprime. O Goldman Sachs anunciou lucro líquido de US$ 3,19 bilhões no terceiro trimestre deste ano, mostrando um crescimento de 277% quando comparado com o mesmo período de 2008, quando os ganhos foram de US$ 845 milhões.

Já o balanço do Citigroup veio mais modesto. A instituição registrou lucro líquido de US$ 101 milhões entre julho e setembro de 2009, ante uma perda de US$ 2,8 bilhões observada em igual época do ano anterior.

De acordo com a equipe de investimentos da Gradual Corretora, os resultados corporativos estão confirmando a virada econômica dos últimos dois trimestres no mundo. No entanto, "vale lembrar que ainda temos muitos resultados a serem apresentados", ponderou a corretora.

No âmbito econômico, os investidores acompanharam dados sobre o nível de atividade e inflação. A atividade industrial na região de Nova York, medido pelo escritório regional do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Nova York, subiu 16 pontos em outubro, para 34,6 pontos. Este foi o maior patamar em cinco anos.

Já o nível de atividade industrial na região da Filadélfia (Philadelphia Fed Index), nos Estados Unidos, medido pelo escritório regional do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) na região, marcou 11,5 pontos em outubro deste ano, enquanto que no mês anterior o indicador ficou em 14,1 pontos.

O mercado também também tomou conhecimento que o Índice de Preços ao Consumidor (CPI) norte-americano registrou inflação de 0,2% em setembro de 2009, já com ajustes sazonais.

(Redação - Agência IN)