Com otimismo externo, Ibovespa supera recorde

SÃO PAULO, 14 de outubro de 2009 - O Ibovespa opera com tendência positiva nesta quarta-feira, impulsionado pelo otimismo externo. Há pouco, o índice marcava valorização de 1,56%, aos 65.651 pontos, superando a pontuação recorde do ano (64.645 pontos), registrada ontem. O giro financeiro da bolsa estava em R$ 3,85 bilhões. Além de indicadores econômicos, os investidores repercutem balanços corporativos de peso que vieram acima do esperado. No mesmo sentido, a desvalorização do dólar frente a outras moedas impulsiona a valorização das commodities, que influenciam positivamente o desempenho das blue chips Petrobras e Vale.

Hoje pela manhã os agentes acompanharam que o número de solicitações de empréstimos hipotecários registrou queda de 1,8% na semana encerrada em 9 de outubro, ante o mesmo período da semana anterior, com ajustes sazonais. Já as vendas no varejo do país recuaram 1,5% em setembro deste ano, contra o mês anterior. Apesar do recuo, o indicador veio melhor que o esperado pelo mercado.

Além disso, o otimismo dos investidores se fortaleceu diante da divulgação do balanço do JPMorgan. A instituição financeira comunicou ter reportado lucro líquido de US$ 3,59 bilhões no terceiro trimestre deste ano. No mesmo período de 2008, o grupo lucrou US$ 527 milhões.

Por aqui, as ações preferenciais da Petrobras e da Vale operam com ganhos significativos - 0,78% e 2,07%, respectivamente - acompanhando a valorização das commodities. Em meio ao cenário de fragilidade do dólar frente a outras moedas, o ouro atinge cotação recorde e o barril de petróleo supera os US$ 75,00 pela primeira vez em um ano.

Entre as mais valorizadas do Ibovespa na sessão de hoje, vale destacar as ações preferenciais da Gerdau (+5,07%) e MMX (ON +4,01%). Além da valorização das commodities, as ações da MMX (companhia do empresário Eike Batista) repercutem positivamente o anúncio da OGX Petróleo e Gás Participações (também de Eike Batista) de que encerrou a perfuração no poço 1-OGX-1-RJS, situado no bloco BM-C-43, em águas rasas da parte sul da Bacia de Campos.

No sentido oposto, o setor de telecomunicações se destaca entre as mais desvalorizadas. Há pouco, Telemar (PN) recuava 1,27% e TIM (PN) 0,60%.

(Carina Urbanin - Agência IN)