Carga tributária pode atrapalhar indústria do petróleo

SÃO PAULO, 14 de outubro de 2009 - A indústria petrolífera brasileira está preparada para a demanda da exploração do petróleo da camada pré-sal, mas a alta carga tributária do País pode atrapalhar a competitividade em relação às empresas internacionais. O alerta é do presidente da Organização Nacional das Indústrias de Petróleo (Onip), Alfredo Renault, que participou da audiência pública na comissão especial que analisa o projeto de exploração e produção do novo marco regulatório, na Câmara, hoje.

"No setor de petróleo temos uma grande assimetria tributária para os fornecedores de bens e serviços, além do problema que permeia todo o setor brasileiro empresarial, que é a alta carga tributária do País, que faz com que a nossa competitividade com os produtos importados possa sofrer alguns problemas", disse.

Para Renault, outros problemas além da carga tributária também precisam ser solucionados para estimular os investimentos da indústria brasileira no pré-sal. "Devemos construir uma política setorial voltada à solução de problemas tributários, de financiamento, de tecnologia que existe nos diversos setores, para que essa grande oportunidade que é o pré-sal possa permear toda a cadeia produtiva, gerando emprego e renda", afirmou.

Apesar de garantir que a indústria petrolífera brasileira está preparada para a demanda do novo tipo de exploração, Renault disse que quanto antes essa demanda chegar aos empresários, mais fácil será a adequação do setor. "Se a demanda vier num ritmo muito forte, a adaptação oferta/demanda poderá ter mais dificuldade. Mas o que nós precisamos é ter uma previsibilidade maior, com a antecipação da demanda para que possamos ter os investimentos necessários", disse o presidente da Onip. As informações são da Agência Brasil.

(Redação - Agência IN)