Fiat vê mercado aquecido no Brasil mesmo com volta do IPI

REUTERS

SÃO PAULO - O mercado de automóveis no Brasil vai se manter aquecido mesmo com a volta da cobrança do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a partir desta quinta-feira, segundo o presidente da Fiat para América Latina, Cledorvino Belini.

A isenção do IPI para veículos de passeio foi um dos instrumentos usados pelo governo brasileiro para enfrentar os efeitos da crise mundial sobre a economia local.

Segundo Belini, os bons fundamentos da economia interna e os indicadores macroeconômicos positivos vão compensar em parte o fim da isenção de IPI.

"Sem dúvida o fim do IPI (reduzido) pode ter um reflexo na venda de veículos, mas esperamos uma compensação com redução de juros e com o nível de desemprego mais baixo", disse ele durante apresentação do Fiat Cinquecento (Fiat 500), que será importado da Polônia.

"Volumes de vendas recordes como o de setembro dificilmente serão novamente atingidos. O ano que vem esperamos vendas similares às deste ano", acrescentou Belini.

Pelas contas do executivo, a redução do IPI - que no caso dos veículos 1.0 caiu a zero de dezembro passado até setembro - provocou um incremento de vendas de 300 mil veículos no mercado automotivo brasileiro.

A Fiat é líder do mercado doméstico e atualmente possui cerca de 25% de participação.

A montadora mantém o plano de investimentos até 2010 no País, com previsão de aportar R$ 5 bilhões.

A Fiat deve inaugurar no início do ano que vem uma fábrica de caminhões e um centro de distribuição de peças no País.

A meta do grupo italiano de atingir uma capacidade produtiva de 1 milhão de veículos no Brasil e na Argentina praticamente já foi alcançada, segundo Belini.

"Não mudamos nada e no ano que vem vamos analisar a conjuntura para definir o plano para a partir de 2011. Fazemos investimento olhando para o longo prazo", disse.

Na avaliação do executivo, o Brasil precisa aumentar a escala produtiva para ampliar sua competitividade mundial.

As montadoras instaladas no País têm capacidade de produzir cerca de 3,5 milhões de automóveis. Belini sugere uma ampliação para 5 milhões de unidades.