Projeções caem no curto prazo e sobem no longo

SÃO PAULO, 30 de setembro de 2009 - As projeções de juros embutida nos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) negociados na BM&FBovespa iniciam o dia sinalizando leve queda nos vencimentos de curto prazo. Em direção inversa, os papéis de longo prazo apontam para cima. Há instantes, o DI para janeiro de 2011, o mais líquido, subia de 10,17% para 10,18% ao, enquanto que os contratos para janeiro de 2010 projetavam taxa anual de 11,43%, contra 11,40% ao ajuste. Na ponta curta da curva, o contrato para janeiro de 2010, cedia de 9,67% para 9,66%, enquanto que o DI para julho do mesmo ano passava de 9,18% para 9,16%.

O mercado de renda fixa, assim como os demais, assimilam nesta manhã novos dados econômicos sobre a maior economia mundial. No segundo trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA se contraiu 0,7%, menos que o esperado. As projeções apontam para recuo de 1,2%.

Logo mais, os investidores assimilam o resultado primário do setor público consolidado em agosto. As expectativas são variadas, vão desde déficit de R$ 1,8 bilhão a superávit de R$ 6,3 bilhões, com mediana de R$ 1 bilhão. Também pode ter efeito pontual sobre os negócios a filiação do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, ao PMDB.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)