Último fim de semana de IPI zero movimenta revendedoras de carros

Portal Terra

SÃO PAULO - O movimento nas revendedoras de carros começou cedo neste sábado e, segundo as concessionárias, ele deverá aumentar ainda mais durante o dia. É que este é o último fim de semana com o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzido para veículos leves. A partir de 1º de outubro, a alíquota zerada deverá subir para 1,5%, dobrar em novembro e avançar a 5% em dezembro, voltando aos originais 7% em janeiro de 2010.

Em duas horas, a concessionária Ford Caoa Paulivel, no Ibirapuera, em São Paulo, vendeu dois veículos nesta manhã. - A previsão é de que a procura seja muito grande neste fim de semana - disse Renato Astur, sub-gerente da loja.

Astur afirmou que o estoque da loja está bom, mas, se o carro pretendido pelo comprador não estiver disponível, ele estará sujeito a levar o veículo novo já com o reajuste do IPI.

O gerente comercial Silvestre Sarti, da concessionária da Fiat San Marino, em Porto Alegre, disse que o problema para este último fim de semana de IPI reduzido é a falta de veículos no estoque. A loja fez feirão em setembro e comercializou 100 carros em três dias. - Estamos com uma média de 40 carros por dia. A média, em meses normais, era de 15 carros - afirmou.

Com a venda de veículos leves aquecida, 1,914 milhão de carros novos - entre nacionais e importados -entraram para a frota brasileira de janeiro a agosto deste ano. Conforme a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), isso significa um aumento de 3,9% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram comercializados 1,842 milhão de unidades.

A Anfavea considera "altamente expressivo" este crescimento, já que as vendas em 2008 foram altas e consideradas uma marca histórica. De acordo com a associação, apenas China, Alemanha e Brasil registraram crescimento na venda de veículos leves. Os demais mercados, de acordo com a Anfavea, estão em queda entre 20% e 40%.

Segundo a associação, este crescimento não se deve somente à redução do IPI. Ele está aliado a outros elementos, como injeção financeira do governo e o retorno do aquecimento das operações bancárias, após o tumultuado último trimestre de 2008, com diminuição do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e redução das taxas de juros. Esses fatores, aliados com promoções de fabricantes e concessionárias, animaram o consumidor a adquirir um veículo 0 km.

Em 2007, foram vendidos 2,46 milhões de carros novos e, em 2008, 2,82 milhões. A estimativa para 2009 é fechar o ano atingindo a marca de 3 milhões de unidades, o que representará um crescimento de 5% a 6% em relação a 2008.

Já na contramão, estão a venda de caminhões e ônibus, que apresentaram queda. No ano passado, foram licenciados 80,7 mil caminhões de janeiro a agosto. Neste ano, a venda caiu para 64,4 mil veículos. A venda de ônibus teve uma queda de 17% no mesmo período. Em 2008, foram licenciados 17,3 mil veículos e em 2009, 14,2 mil.