Bolsas européias operam em alta contida pelo setor bancário

REUTERS

LONDRES - O principal índice de ações da Europa operava perto da estabilidade nesta sexta-feira, atingindo o menor nível em quase duas semanas, com as perdas do setor financeiro minimizadas pelo avanço do segmento de energia. O mercado ignorava promessa do G20 de manter suportes econômicos emergenciais até que a recuperação esteja garantida.

Às 8h39 (de Brasília), o índice FTSEurofirst 300 exibia alta de 0,13%, a 988,68 pontos, após recuar a 982 pontos, patamar mais baixo desde 14 de setembro. O indicador ainda acumula alta de 19% neste ano e saltou 53% desde a mínima recorde observada em março.

As ações do setor financeiro apresentavam um dos piores desempenhos, com a confiança abatida após importantes bancos centrais anunciarem na quinta-feira que planejam suspender injeções maciças de dólares no sistema bancário, conforme os mercados financeiros mostram sinais de estabilização após uma crise devastadora.

Standard Chartered, Barclays, Lloyds, UBS, Credit Suisse, Deutsche Bank e Commerzbank recuavam de 0,9% a 2,8%. Os papéis do Julius Baer caíam 4,8% após o banco ter dito que está pronto para considerar aquisições na Suíça e no exterior, enquanto estabelece novas metas para as divisões de private banking e gestão de ativos.

Já o DnB NOR, maior grupo bancário da Noruega, disparava 8,12% depois de anunciar uma emissão de ações de US$ 2,4 bilhões para fortalecer sua base de capital. "O mercado esta em uma condição muito comprada e precisava fazer uam pausa antes de atingir novas máximas no final deste ano", afirmou Romain Boscher, chefe de investimento do Groupama Asset Management.

Papéis de companhias de engenharia industrial também tinham oscilação negativa em meio a preocupações com a demanda. Sulzer, Alstom, ABB e Volvo perdiam de 0,37% a 2,2%.

As ações do setor de energia acompanhavam o desempenho do petróleo , que se recuperava após um declínio de mais de 4%, para o menor patamar em oito semanas. Fracos dados sobre as vendas de moradias nos Estados Unidos levantaram dúvidas sobre o ritmo da recuperação da demanda por combustíveis no país.

BP, Royal Dutch Shell, BG Group, Tullow Oil e StatoilHydro ganhavam de 0,5% a 2,2%%. ING subia 2% após ter dito que venderá sua participação de 51% em um joint-venture para o parceiro Australia and New Zealand Banking Group por 1,1 bilhão de euros (US$ 1,6 bilhão).

A gigante Unilever tinha alta de 0,23%. O grupo decidiu pagar 1,275 bilhão de euros (US$ 1,87 bilhão) pelas marcas de cuidados pessoais da Sara Lee.