Produção de etanol e açúcar será menor na quinzena

SÃO PAULO, 24 de setembro de 2009 - O excesso de chuva no mês de setembro tem prejudicado os produtores de cana-de-açúcar na região Centro-Sul do País e afetado a projeção para a safra 2009/2010. Em setembro, período tradicionalmente mais favorável à colheita, observa-se um índice pulviométrico muito acima da média histórica, o que tem desencadeado um tempo de moagem menor. Na safra atual já foram perdidos 11 dias efetivos de moagem adicionais ao verificado na safra 2008/2009. Até o final deste mês, estima-se uma perda de 45 dias de moagem, contra 34 no mesmo período ano passado, segundo informou a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

O total de cana processada na primeira quinzena de setembro foi de 29,59 milhões de toneladas, inferior ao da mesma quinzena um ano atrás em 13,06%. A quantidade de produtos obtidos por tonelada de cana (Açúcar Total Recuperado, ou ATR) ficou em 139,48 quilos, 11,30% inferior ao índice para a primeira quinzena de setembro da safra passada, que foi de 157,25 quilos. Somando-se a redução no volume de cana moída com a queda na obtenção de produtos por tonelada de cana processada, a produção na quinzena ficou 22,88% abaixo da verificada na safra anterior.

A moagem acumulada do início da safra até 15 de setembro atingiu 347,62 milhões de toneladas, 9,72% acima do total para o mesmo período da safra passada. Contudo, a qualidade da matéria-prima manteve-se 4,66% menor que a da safra anterior, totalizando 131,66 kg de ATR/t cana desde o início de abril, contra 138,09 do ano passado. O aumento da moagem e a queda na quantidade de produtos por tonelada de cana fez com que a quantidade total ATR disponível para a produção de açúcar e etanol crescesse apenas 4,6% em relação ao mesmo período da safra anterior.

A produção de açúcar na primeira quinzena de setembro foi de 1,78 milhões de toneladas na Região Centro-Sul, inferior em 17,25% ao verificado na mesma quinzena da safra anterior. Mas a produção acumulada desde o início da safra atingiu 19,01 milhões de toneladas, 12,02% superior aos 16,97 milhões obtidos no mesmo período um ano atrás. No acumulado, 43,59% do total de cana processada foi destinada à produção de açúcar, ficando 56,41% para a produção de etanol, cuja produção na quinzena atingiu 1,32 bilhão de litros, queda de 26,84% comparado com a mesma quinzena da safra pasada. Desde o início da safra, a produção de etanol alcançou o volume de 15,1 bilhões de litros, praticamente igual à produção do mesmo período da safra anterior.

Das 23 novas unidades com início de moagem previsto para a atual safra, 17 já estarão em atividade até o final de setembro. As restantes tem previsão de início de operações até o encerramento da safra 2009/2010.

A produtividade agrícola da cana colhida até o mês de setembro, de 91,4 toneladas por hectare, é superior em 1,7% à observada no mesmo período da safra anterior, devido às condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento da planta e a maior proporção de cana bisada (cana não colhida na safra anterior).

As saídas de etanol das usinas do Centro-Sul para o mercado interno totalizaram 1 bilhão de litros na primeira quinzena de setembro, sendo 242 milhões de etanol anidro e 773 milhões de etanol hidratado. No acumulado, as vendas de etanol para o mercado doméstico alcançaram 10,8 bilhões de litros até 15 de setembro, crescimento de 16,8% em relação ao mesmo período da safra anterior. Quando avaliada a movimentação física para cada tipo de etanol, verifica-se uma estabilidade na demanda de etanol anidro (-1,3%) e um crescimento (24,6%) para o etanol hidratado.

As exportações apresentaram, desde o início de abril, uma retração de 27,3% nesta safra em relação aos volumes de 2008/2009. A saída de etanol das usinas do Centro-Sul para o mercado externo totalizou 1,9 bilhão de litros, contra 2,7 bilhões do ano anterior. Essa queda foi alavancada, principalmente, pela retração das exportações de etanol anidro, que até o momento apresentam queda de 66,2%, em função da redução das importações diretas pelos Estados Unidos, que no ano anterior totalizaram quase 850 milhões de litros.

De acordo com dados da Secretaria do Comércio Exterior (SECEX), as exportações de açúcar pelos estados da Região Centro-Sul alcançaram 9,2 milhões de toneladas entre abril e o início de setembro, apresentando um crescimento de 33,2% em relação ao mesmo período da safra anterior. Parte do volume de exportação refere-se aos estoques de passagem da safra 2008/2009. Em termos de valor, esse crescimento foi de 53,9%, refletindo o aumento dos preços internacionais do produto. Com isso, apenas a exportação de açúcar contribuiu com US$ 1,0 bilhão adicional ao valor observado no mesmo período da safra anterior, que foi de US$ 2,92 bilhões.

Portanto, o que se verifica até o momento é uma produção aquém do esperado, devido à baixa obtenção de produtos por tonelada de cana esmagada em função da alta incidência de chuvas, maior venda de produtos nessa safra para atendimento do mercado da Região Nordeste, atraso no início de operação das novas unidades produtoras e um aumento de demanda provocada pelos baixos preços do etanol desde o início da safra.

(Redação - Agência IN)