Acordo de Itaipu não trará prejuízo ao consumidor, diz governo

REUTERS

BRASÍLIA - O assessor da presidência da República para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, afirmou que o acordo com o Paraguai sobre a usina hidrelétrica de Itaipu não trará prejuízo para o consumidor brasileiro e foi importante por estabilizar a situação política no país vizinho.

- Acreditamos que esse acordo vai beneficiar o Paraguai e não vai criar nenhum ônus para o consumidor brasileiro, uma vez que vai ser assumido em parte pelo Tesouro e em parte por uma série de resoluções técnicas - disse Garcia nesta segunda-feira sem dar detalhes da operação assinada no final de semana, em Assunção, pelos presidentes dos dois países.

A estrutração da operação, que ainda não foi detalhada por nenhuma autoridade brasileira, só deve ficar pronta em 60 dias, lembrou Garcia. Além de prometer quase triplicar o valor anual da cessão da energia - hoje em torno dos US$ 120 milhões -, o Brasil disse que permitirá a venda gradativa da energia de Itaipu diretamente no mercado livre de energia do Brasil pelo Paraguai. Atualmente, a energia é vendida pela Eletrobrás.

A reavaliação do contrato de energia da usina binacional de Itaipu era uma promessa de campanha do presidente Fernando Lugo.

- Não podemos ser uma ilha de prosperidade cercada por um oceano de desigualdade social - frisou o assessor da presidência da República.

Garcia participou nesta segunda-feira de um seminário internacional sobre o processo de paz na região do Oriente Médio.

- O Brasil pode ter um papel importante, uma vez que temos colônias aqui no país - finalizou.