Nível de endividamento dos paulistanos cai para 46% em julho

Portal Terra

SÃO PAULO - Em julho, o total de famílias da cidade de São Paulo endividadas baixou para 46%, depois de ter atingido 49% em junho e 52% em maio, de acordo com pesquisa divulgada nesta quinta-feira pela Fecomercio. Em relação a igual mês do ano passado, quando o total de famílias endividadas alcançou 53%, houve queda de sete pontos porcentuais.

Os índices de inadimplência também apresentaram queda, chegando a 17% em julho, ante 20% em junho, 21% em maio e 22% em abril. O total de famílias que acreditam não ter condições de pagar total ou parcialmente suas contas nos próximos meses permaneceu estável em 5% em julho, a exemplo do ocorrido em junho.

-O consumidor mostra-se atento aos juros altos, mais cauteloso diante do endividamento e procurando fugir da inadimplência - afirma Adelaide Reis, economista da Fecomercio.

Segundo a economista, a maior cautela do consumidor está diretamente relacionada às altas taxas de juros praticadas pelo mercado.

- A oferta de crédito ao consumidor encolheu, sua concessão ficou mais seletiva e as taxas de juros continuam bastante elevadas afastando o consumidor das operações de crédito - reitera Adelaide.

Ela explica que apesar da redução da taxa básica de juros (Selic), houve aumento do spread bancário, de forma que as taxas de juros atuais ao consumidor permanecem em patamares tão elevados quanto os verificados em junho e julho do ano passado, quando a Selic era de 12,25%, ou seja, três pontos porcentuais maior do que a atual.

Quase metade dos paulistanos (45%) está endividada em até seis meses (de um a seis meses da renda familiar), enquanto outros 26% têm a renda comprometida com pagamento por prazo superior a um ano.

Em relação ao tempo de atraso no pagamento de contas, a pesquisa mostra que 57% das famílias têm contas em atraso em até 60 dias e 30% das famílias entrevistadas com atrasos superiores ao período de três meses.