Energia elétrica e aluguéis puxam inflação pelo IPC-S

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - A inflação pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) acelerou na segunda prévia de julho, influenciada principalmente pelo aumento dos preços em Habitação, principalmente em razão do reajuste na tarifa de energia elétrica e devido aos aluguéis.

O indicador subiu 0,37% na segunda prévia de julho, ante alta de 0,31% primeira medição do mês, informou ontem a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Os preços do grupo Alimentação sustentaram o avanço de 0,73% verificado na abertura do mês, enquanto Habitação acelerou alta, de 0,20% na primeira prévia para 0,35%. O item tarifa de eletricidade residencial passou de deflação de 0,73% para elevação de 0,80%.

As principais contribuições individuais para a aceleração da inflação foram de leite longa vida, alho, aluguel residencial, tarifa de eletricidade residencial e abobrinha.

Os dados

O aumento nos transportes foram puxado por álcool combustível (de -3,06% para -1,89%); em despesas diversas (de 0,05% para 0,11%), com destaque de alimento para animais domésticos (de 0,24% para 0,83%); e em educação, leitura e recreação (de -0,06% para -0,04%), com influência de jornais e revistas (de -0,26% para 0,08%). Houve queda nas taxas de vestuário (de 0,44% para 0,42%), influenciada por roupas (de 0,61% para 0,53%); e saúde e cuidados pessoais (de 0,29% para 0,26%), com destaque para medicamentos em geral (de 0,61% para 0,53%). Já os preços dos alimentos repetiram a alta de 0,73% verificada na última semana. No grupo, as principais altas foram verificadas em hortaliças e legumes (de -1,30% para -0,76%) e frutas (de 0,15% para 0,86%).