Wall Street sobe mais de 3%

SÃO PAULO, 15 de julho de 2009 - Os dados econômicos divulgados nos Estados Unidos e os resultados corporativos continuam sustentando a especulação de que o pior da crise econômica já passou. Com isso, os investidores toparam correr mais riscos e os índices acionários do país tiveram forte alta.

O Dow Jones ganhou 3,07% para os 8.616,21 pontos e o Nasdaq avançou 3,51% para 1.862,90 pontos, ambos com a maior alta desde 9 de abril. O S&P500 subiu 2,96% para 932,68 pontos.

Ontem o Goldman Sachs anunciou, antes do início da sessão, que obteve lucro recorde e, depois do encerramento dos negócios, a Intel anunciou resultados mais otimistas do que os analistas esperavam.

As ações do setor de tecnologia registraram valorizações expressivas. A Intel disparou mais de 7%, para US$ 18,05; a Cisco avançou 5,77%, para US$ 19,81; e a Microsoft e a Oracle ganharam mais de 4%.

Os bancos também fecharam no azul, com o Goldman Sachs em alta de 3,74%, para US$ 155,26. O Citigroup subiu 8,56%, para US$ 3,17; e o JPMorgan ganhou 4,5%, para US$ 36,26.

Além dos resultados das empresas, a atividade industrial na região de Nova York melhorou em julho. Dados divulgados hoje pelo escritório regional do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Nova York mostraram que o NY Empire State Index subiu 9 pontos, para -0,6 pontos.

A valorização das commodities também contribuiu para o clima positivo. A Alcoa, maior fabricante de alumínio do mundo, avançou 5,74% e as petrolíferas Exxon Mobil e a Chevron ganharam 3,35% e 2,49%, respectivamente.

(Redação - Agência IN)