Dólar sobe acompanhando instabilidade externa

SÃO PAULO, 8 de julho de 2009 - Os mercados operam instáveis nesta quarta-feira, no aguardo da temporada de balanços nos Estados Unidos. As declarações do Fundo Monetário Internacional (FMI), que a economia global está começando a sair da recessão, mas a recuperação será lenta e as políticas dos governos precisam continuar estimulando a recuperação, também influenciam os negócios. No fim da manhã, o dólar subiu 0,75%, para R$ 2,005 na compra e R$ 2,007 na venda.

A gigante do alumínio Alcoa dá o start dos balanços e as projeções são negativas, de perdas de US$ 0,34 por ação e vendas no total de US$ 4,3 bilhões no segundo trimestre. Nos últimos dois trimestres, a empresa acumulou perdas de quase US$ 1,7 bilhão.

Já o FMI elevou de forma significativa as projeções de crescimento para a Índia e a China tanto neste ano quanto em 2010. Para a Rússia, a projeção de PIB foi reduzida em 2009, mas melhorada sensivelmente para o próximo ano. Entre os Brics, o Brasil foi o País com as alterações menos sensíveis, com a projeção mantida em -1,3% para este ano e elevação de apenas 0,3 pontos porcentuais na estimativa para o PIB de 2010, que passou de 2,2% para 2,5%. Para este patamar, o PIB brasileiro deverá crescer na mesma magnitude que a economia global no próximo ano, e não mais do que a economia mundial como o FMI havia indicado na publicação de abril.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)