Real não resiste a piora externa e se desvaloriza

SÃO PAULO, 7 de julho de 2009 - O mercado de câmbio doméstico, assim com a Bovespa, não resiste ao clima instável dos mercados internacionais e opera com perdas nesta terça-feira. Após cair a R$ 1,946 na mínima do dia, o dólar inverteu tendência até fechar a primeira etapa em alta de 0,31%, vendido a R$ 1,968. As compras do Banco Central (BC) contribuem com o movimento. O cenário externo ruim também prejudica a renda variável, com boa parte das bolsas operando em queda desde cedo.

Internamente, os investidores avaliam uma possível elevação do rating brasileiro pela agência de classificação de risco Moody´s e números sobre a inflação. Para a corretora NGO, o fato da Moody´s elevar o rating do País à investment grade não deverá motivar aumento de investimentos no Brasil. "Simplesmente será um fato que ganha destaque por ocorrer num ambiente de crise internacional relevante. Uma decisão oportunística visando resgatar um erro de avaliação cometido no tempo, quando não considerou corretamente as virtudes estruturais do País", observa em relatório.

Segundo a NGO, neste terceiro trimestre continuará havendo retração no fluxo de investimentos externos direcionados para o mercado acionário, não por aversão ao risco, mas pela carência efetiva de boas oportunidades de ganho. Isto porque, os principais papéis precificaram sinais de recuperação da economia brasileira que precisam ser confirmados. Já na renda fixa, a redução das margens de ganho é desestimulante, embora a taxa de juro real brasileira ainda permaneça elevada no confronto com as principais economias mundiais.

(Simone e Silva Bernardino - Agência IN)