Corretora melhora avaliação da American Express; acões sobem

REUTERS

SÃO PAULO - A Stifel Nicolaus elevou o rating da American Express de "venda" para "manter" e afirmou que a empresa está menos exposta às recentes reformas promovidas nos Estados Unidos para redução de altas nas taxas cobradas pelas administradoras de cartões de crédito.

- A American Express está menos exposta às novas regras devido ao seu modelo de negócios e sua pouca exposição a empréstimos de risco maior (subprime) - afirma o analista Chris Brendler, em nota a clientes.

O Credit Card Accountability, Responsibility and Disclosure Act, que entrará em vigor em fevereiro de 2010, deverá restringir de maneira intensa a capacidade de emissores de cartões de crédito de aumentar juros sobre as faturas de seus clientes, de cobrar certas tarifas e multas excessivas.

Brendler também afirma que suas preocupações iniciais de que a situação de crédito da empresa "se dissiparam", afirmando que "apesar das perdas ainda estarem aumentando, a inadimplência diminuiu significativamente neste trimestre".

O analista acredita que a American Express, maior empresa de cartões de crédito dos EUA em termos de volume de vendas, melhorou significativamente sua rentabilidade ao cortar despesas.

Brendler manteve estimativas para o lucro da companhia em 2009, de US$ 0,65 por ação.

As ações da empresa disparavam mais de 5%, aos US$ 23,50, nesta tarde.