Ações europeias sobem puxadas por commodities e bancos

REUTERS

LONDRES - O principal índice de ações da Europa operava em alta nesta sexta-feira, após ter recuado na sessão passada, com o avanço dos preços do petróleo e dos metais impulsionando as ações ligadas a commodities. Os papéis do setor financeiro também se recuperavam depois de perdas recentes.

Às 8h20 (horário de Brasília), o índice Eurofirst 300, referência das principais bolsa europeias, subia 0,33%, para 848 pontos, após ter caído 0,9% na quinta-feira. O indicador, que despencou 45% em 2008, saltou 32% desde que atingiu a mínima histórica no começo de março.

As ações do segmento de energia acompanharam o desempenho do petróleo, que subiu mais de 1%, cotado acima de US$ 71 o barril. BP, Royal Dutch Shell, BG Group, Tullow Oil, Repsol, Total e StatoilHydro ganhavam de 0,2% a 3,3%.

"A maioria das pessoas vai concordar agora que não visitaremos novamente a mínima, que vimos neste ano", disse Luc Van Hecka, economista-chefe da KBC Securities. "Mas ainda há alguns problemas a serem resolvidos no setor financeiro e, enquanto isso não estiver fora do caminho de modo convincente, ainda podemos ter correções intermediárias", acrescentou ele.

UBS AG perdia 3,2% após o banco ter dito que planejava levantar cerca de 3,8 bilhões de francos suíços por meio da venda de ações e que previa um prejuízo líquido no segundo trimestre.

Mas o segmento bancário operava em território positivo depois de retroceder em 7 das últimas 11 sessões. HSBC, Royal Bank of Scotland, BNP Paribas, Société Générale, Credit Suisse e Deutsche Bank avançavam entre 1,3 e 3,8 por cento.

O Banco da Inglaterra informou que os bancos britânicos pareciam em melhor forma do que há seis meses atrás, mas ainda estavam vulneráveis aos impactos econômicos.

As mineradoras se fortaleciam com os preços dos metais mais altos. BHP Billiton, Anglo American, Antofagasta, Rio Tinto, Xstrata e Eurasian Natural Resources subiam de 0,4 a 2,9%.

No setor farmacêutico, a Sanofi-Aventis afundava 7,5%, ampliando as perdas acentuadas da sessão passada, enquanto a Novo Nordisk recuava 2,5%.