Negociações entre países andinos e União Europeia seguem lentas

Agência ANSA

BRUXELAS - O ministro do Comércio, Indústria e Turismo da Colômbia, Luis Guillermo Plata, afirmou nesta quinta-feira que prefere uma "boa negociação a uma rápida negociação", ao concluir as discussões para a assinatura de acordo comercial entre o seu país, Equador e Peru com a União Europeia (UE).

As negociações realizadas em Bogotá, terminaram sem que as 13 mesas de negociação chegassem a um acordo, principalmente sobre a entrada dos produtos agrícolas dos países andinos na Europa.

- A exportação da banana é tema de especial interesse para nosso país, estamos trabalhando em soluções positivas tanto na Organização Mundial do Comércio (OMC), quanto nesta negociação, na qual esperamos os melhores resultados ao final do processo - disse Plata.

Atualmente, os exportadores da banana colombiana pagam US$ 176 por tonelada do fruto ao entrar na Europa e esperam que, com o novo acordo, esse valor fique mais baixo, assim como o de outros produtos agrícolas.

O representante do Equador nas negociações, Mentor Villagómez, informou que a participação de seu país precisa ser estudada e que será necessário revisar o conteúdo do acordo para saber se ele atende às leis da nova constituição equatoriana.

Por isso o país não irá acompanhar o próximo encontro, que será realizado em julho, em Lima (Peru).