Pequim ordena 'Compre China' para projetos do pacote econômico

Agência AFP

PEQUIM - A China impôs uma exigência para que seus projetos de estímulo econômico usem produtos fabricados domesticamente, um movimento que poderia prejudicar os laços com parceiros comerciais depois de Pequim ter criticado o "Compre América", estabelecido pelos Estados Unidos no início do ano.

Inicialmente, o plano defendia que apenas o ferro, o aço e os bens fabricados nos EUA poderiam ser usados nos projetos públicos, mas depois foi modificado para incluir a cláusula de que a regra deveria ser aplicada de forma consistente com as obrigações dos EUA sob os acordos internacionais.

Os projetos devem obter permissão oficial para usar produtos importados, segundo uma ordem expedida pela principal agência de planejamento da China e outros oito órgãos do governo. O comunicado foi feito no dia 1º de junho e divulgado esta semana pela imprensa estatal.

Mesmo antes do documento empresas estavam preocupados que companhias estrangeiras poderiam ser excluídas de projetos de construção e de outros setores financiados pelo pacote de estímulo do governo chinês de US$ 586 bilhões.

- Projetos de investimentos do governo devem comprar produtos fabricados domesticamente a não ser que os produtos ou serviços não possam ser obtidos em condições comerciais razoáveis na China", diz o documento.