Ministro: setores de construção quer prorrogação de IPI reduzido

Wellton Máximo, Agência Brasil

BRASÍLIA - Os representantes do setor de materiais de construção pediram nesta quarta-feira, durante a reunião do Grupo de Acompanhamento da Crise (GAC), a prorrogação da desoneração de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), disse o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge. Segundo o ministro, que acompanhou o encontro, os empresários do segmento alegaram precisar de mais tempo para que os consumidores sintam os efeitos da redução de imposto.

De acordo com Miguel Jorge, os empresários de material de construção também reivindicaram que o anúncio da prorrogação não seja feito no último dia de vigência da desoneração, caso o benefício seja estendido. A redução de IPI vale até o dia 30.

- Ao contrário de outros setores, a indústria de materiais de construção não trabalha com estoques elevados e precisa se planejar - afirmou o ministro, na saída do encontro.

Apesar de confirmar o pedido do setor de materiais de construção, Miguel Jorge negou que o governo tenha dado alguma resposta sobre a prorrogação da redução do IPI, que também beneficia alguns tipos de veículos e eletrodomésticos. Ele, no entanto, não descartou a possibilidade de novos incentivos serem adotados.

- Nunca dissemos que a crise já passou. Até porque, se já tivesse passado, estaríamos numa situação como a do início do ano passado - disse Miguel Jorge. De acordo com ele, o governo deve se reunir na próxima semana para avaliar a possibilidade de novas medidas com base nas discussões da reunião desta quarta.

De acordo com o ministro, os setores mais sensíveis à falta de investimentos ainda não reagiram aos incentivos tomados pelo governo. O problema, afirmou Miguel Jorge, é maior no setor de bens de capital (máquinas e equipamentos), que continua a apresentar números negativos.

- Isso é provocado pela grande ociosidade que alguns segmentos ainda têm, na faixa dos 80% - explicou.