Dia positivo nos EUA favorece Ptax mais baixa

SÃO PAULO, 29 de maio de 2009 - O dia positivo nos mercados internacionais, em meio às perspectivas de que a demanda está se aquecendo nos Estados Unidos e Japão, abre espaço para que os players que trabalham por uma Ptax mais baixa derrubem a taxa para abaixo de R$ 2. Instantes atrás, a moeda norte-americana caía 1,34%, para R$ 1,979 na compra e R$ 1,982 na venda. Mundo afora, as principais bolsas de valores operam com ganhos, enquanto que as commodities se valorizam.

A Ptax de hoje liquidará os contratos que vencem no início de junho na BM&F, os "strikes" de opções, além de importantes operações com derivativos cambiais, como o vencimento de US$ 3,4 bilhões em contratos de swap tradicional e reverso. Neste último caso, quanto mais baixa a taxa de liquidação, maior os ganhos dos investidores.

O último dia útil do mês também é marcado por importantes divulgações. Nos EUA, o Produto Interno Bruto (PIB) se contraiu 5,7% no primeiro trimestre, segundo dados preliminares - pior do que o esperado, de 5,5%. Por outro lado, os estoques de petróleo caíram em 5,4 milhões de barris na semana passada, para 363,1 milhões de barris - bem menos do que apostavam os analistas. No Japão, a produção industrial se expandiu no maior ritmo em mais de meio século em abril - alta de 5,2%. "Parece que a economia destes dois países já bateu o fundo do poço e agora partem para uma recuperação", avalia. Logo mais saem os números da atividade industrial e índice de confiança do consumidor medido pela Universidade de Michigan.

No noticiário corporativo, a GM continua no foco. Segundo noticiário, a montadora teria recebido apoio de importantes credores para um novo plano de reestruturação que pode dar ao governo dos EUA uma fatia de 72,5% na "Nova GM" e levar ao perdão de dezenas de bilhões em empréstimos federais.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)