Bradesco Corretora avalia desempenho do setor

SÃO PAULO, 29 de maio de 2009 - A Bradesco Corretora avaliou em seu relatório as ações da Aracruz (ARCZ6) como baixa performance; os papéis da Klabin (KLBN4) como alta performance; as ações da Suzano (SUZB5) como performance de mercado e os papéis da Votorantim Celulose e Papel(VCPA4) como baixa performance.

De acordo com o Conselho de Produtos de Papel e Celulose (PPPC), os estoques globais de celulose para todas as linhas diminuíram de 43 dias em março para 35 dias em abril. Em uma comparação anual, os estoques em abril de 2008 foram de 31 dias em média. Os pedidos globais de celulose em abril de 2009 totalizaram 3,501 bilhões de toneladas, -2,07% ante o mesmo mês de ano anterior e +1,1% em relação ao mês anterior. Além disso, a taxa de utilização na indústria melhorou de 92% em março para 96% em abril. "Todos esses números indicam uma melhora no mercado de celulose", afirmou o relatório.

Na opinião dos analistas do Bradesco, esses números são positivos para o setor no sentido em que os preços da celulose podem começar a se recuperar do atual nível de US$ 500 por tonelada. "Os principais produtores de celulose já anunciaram um aumento de preço de US$ 20 por tonelada para o mês de maio", relataram no documento. No entanto, os analistas acreditam que mesmo que os preços da celulose tenham começado a se recuperar, o atual nível de preços é tão baixo que os preços teriam que aumentar consideravelmente para atingir o preço médio estipulado para 2009 de US$ 547 por tonelada. Além disso, com base nas estimativas do preço da celulose da Bradesco Corretora, não existe produtor de celulose no Brasil que pareça subestimado, uma vez que a dívida de cada um tem subido consideravelmente nos últimos tempos. Vale ressaltar que a estimativa dos analistas para o preço da celulose é a menor no mercado.

"Para se apostar na recuperação dos preços da celulose, a melhor opção seria a Suzano. Utilizando a estimativa do preço da celulose de nossos analistas, a Suzano parece corretamente precificada para levemente sobreavaliada. No entanto, utilizando a mesma estimativa, a VCP e a Aracruz parecem extremamente sobreavaliadas, já que essas empresas possuem uma elevada dívida líquida (R$ 6,9 bilhões e R$ 8,6 bilhões, respectivamente) e elevado valor de mercado (R$ 14,0 bilhões)", apontou o relatório do Bradesco.

O documento ressalta que um sinal de recuperação não deve ser interpretado como uma recuperação sustentável da demanda final, porque a crise tem se mostrado forte. Os analistas do Bradesco acreditam que os investidores estão muito apressados em antecipar a recuperação do ciclo, e que, embora esse números sejam impressionantemente positivos, estes não são devidos ao aumento da demanda final para os níveis pré-crise. "O principal direcionador tem sido o grande número de paradas de produções devido aos baixos preços da celulose. Quando o preço da celulose se recuperar, uma parcela significativa dessa produção pode retomar as operações", mostrou o relatório. Os analistas não estão tão confortáveis com a recente teoria de que produtores ineficientes chineses de celulose não oriunda de madeira irão de fato encerrar suas operações devido a questões ambientais, uma vez que essa pressão ambiental tem sido presente há algum tempo, e até recentemente nada aconteceu.

Assim, "reiteramos nossa recomendação para as ações da Suzano de desempenho em linha com o projetado para o Ibovespa em 2009 (preço alvo de R$ 14,00/ação); e recomendação para as ações da VCP e da Aracruz de desempenho inferior ao estimado para o Ibovespa em 2009 (preço alvo de R$ 1,80/ação e R$ 13,50/ação, espectivamente). A únicarecomendação de desempenho superior ao projetado para o Ibovespa em 2009 é a das ações da Klabin, empresa mais focada na produção de papel do que de celulose", concluiu.

(Redação - InvestNews)