Bolsa fecha em leve alta de 0,30%

SÃO PAULO, 29 de maio de 2009 - Acompanhando o movimento das principais praças acionárias mundiais, a bolsa brasileira terminou o último pregão do mês em alta. Depois de operar com volatilidade, o mercado comprador prevaleceu. Ao final dos negócios, o índice acionário da BM&FBovespa marcou valorização de 0,30%, aos 53.197 pontos. O giro financeiro ficou em R$ 8,19 bilhões.

Hoje o mercado centrou suas atenções nos dados econômicos norte-americanos. O Departamento do Comércio dos Estados Unidos divulgou hoje que o Produto Interno (PIB) foi revisado para cima. A economia norte-americana reportou contração de 5,7% no primeiro trimestre de 2009, na comparação com o trimestre anterior, conforme a segunda medição. Na primeira medição o recuo era de 6,1%. No quarto trimestre de 2008, o PIB norte-americano recuou 6,3%.

"Em relação à primeira divulgação, houve piora na contribuição do consumo das famílias, o que é ruim e dos investimentos residenciais mostrando um ligeiro declínio, e melhora na contribuição dos investimentos não residenciais, estoques, exportações líquidas e gastos do governo. Porém, o que mais contribuiu para a melhora foi a queda mais amena dos estoques. Resultado esfriou um pouco o ânimo do mercados", conforme relatório do Banco Fator.

Ainda por lá, a leitura revisada da confiança do consumidor norte-americano, medida pela Universidade de Michigan, apontou 68,7 pontos em maio, acima do esperado pelos analistas, que projetavam 68 pontos para o período. O indicador referente a maio também superou o resultado do mês anterior, quando a Universidade de Michigan apontou 67,9 pontos para a confiança do consumidor no período.

No mercado de commodities, as cotações do barril de petróleo encerraram a sessão em alta. Há pouco, o preço do barril de petróleo do tipo WTI, com vencimento em julho, registrou avanço de 1,4%, para US$ 66,22. E o preço do barril do tipo Brent, também com vencimento em julho, negociado na ICE Exchange de Londres valorizou 1,7%, para US$ 65,48.

No Reino Unido, os agentes acompanharam os dados sobre o mercado imobiliário. O Índice de Preços de Casas (HPI, sigla em inglês) registrou avanço de 1,2% em maio se comparado com o mês anterior, já com ajustes sazonais. Esta é a segunda vez que o indicador sobe em três meses, conforme informações divulgadas hoje pela Nationwide.

No Brasil, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) subiu 6,0% entre abril e maio de 2009, ao passar de 84,5 para 89,6 pontos, considerando-se dados com ajuste sazonal, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Este é o quinto avanço consecutivo, o que confirma a tendência de recuperação gradual do ritmo de atividade industrial após o forte declínio ocorrido ao final do ano passado. Segundo a FGV, o ICI encontra-se agora, pela primeira vez em 2009, mais próximo de sua média histórica (99,1 pontos) do que do vale alcançado em dezembro de 2008 (74,7 pontos).

Dentre os destaques positivos do Ibovespa ficaram: JBS ON (+10,32%), a R$ 6,73; TIM ON (+6,09%), a R$ 7,66 e Usiminas ON (+5,15%), a R$ 37,73. No sentido oposto estão: Brasil Telecom (-6,04%), a R$ 14 e TAM PN (-5,08%), a R$ 16,80.

(Redação - InvestNews)