Petróleo fecha acima de US$ 65 com queda de estoques

REUTERS

NOVA YORK - Os futuros do petróleo nos Estados Unidos fecharam acima de 65 dólares nesta quinta-feira, o maior valor de fechamento desde novembro, após dados do governo mostrarem queda nos estoques domésticos do produto.

Traders também aproveitaram dados econômicos melhores que esperados e a decisão da Opep de manter a produção do cartel nos atuais níveis.

A Administração de Informação de Energia dos EUA informou nesta quinta-feira que, para a semana de 22 de maio, os estoques domésticos de petróleo caíram 5,4 milhões de barris para 363,1 milhões de barris. Pesquisa Reuters apontava queda de 700 mil barris.

- Foi definitivamente altista para o petróleo. Ninguém esperava uma queda como esta, pois os níveis das refinarias se mostraram maiores que esperado. Este é um número chocante - disse Mike Zarembski, analista sênior de commodities na optionsXpress em Chicago.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) manteve as metas de produção do cartel, como esperado, apostando no fortalecimento da economia mundial e em sinais de que a demanda crescente pelo produto pode alavancar o preço da commodity.

Na Nymex, o petróleo para entrega em julho subiu US$ 1,63, ou 2,57%, a US$ 65,08 por barril, o maior valor de fechamento desde 5 de novembro de 2008, quando encerrou em US$ 65,30.

O contrato foi negociado entre US$ 62,75 e US$ 65,44, o maior valor intradia desde 10 de novembro do ano passado, quando chegou a ser negociado a US$ 65,56. Em Londres, o petróleo Brent para entrega em julho subiu US$ 1,89, ou 3,02%, a US$ 64,39 por barril.