Mantega admite queda no PIB e se defende por "marolinha"

Portal Terra

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda Guido Mantega afirmou nesta quinta-feira, durante audiência pública no Senado que o Brasil viveu no último trimestre do ano passado uma "queda forte de atividade" e admitiu que o o primeiro trimestre de 2009 deverá ter recuou do Produto Interno Bruto (PIB). Mantega também se defendeu do fato de o governo ter classificado a atual turbulência econômica como "marolinha".

- No primeiro trimestre deste ano também deveremos ter crescimento negativo, não sabemos de quanto- completou.

O ministro disse também que o fato de o País entrar em recessão técnica (dois trimestres consecutivos de PIB em baixa) não reflete o atual cenário.

- Esse conceito de recessão técnica, me desculpem os economistas, pode ser adotado ou não. (...) Não diz nada do que está acontecendo na economia agora ou no trimestre consecutivo- afirmou. Para Mantega, o que vale a pena ser ressaltado é que a economia brasileira demonstra claros sinais de melhora.

Segundo ele, mesmo ainda tendo problemas sérios a resolver - como falta de crédito e juros altos - o País se recupera bem. "A crise serviu para o Brasil como prova, e acho que nos saímos muito bem. Não adianta nada ficarmos dizendo 'ah foi bem, ah, não foi'. O que importa é que estamos em processo de recuperação".

Marolinha

O ministro se justificou ao senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) que criticou a postura do governo de dizer que a crise era uma "marolinha" quando, na verdade, o País apresentou dois trimestres seguidos de crescimento negativo, o que, para o tucano é recessão.

Mantega rebateu as críticas dizendo que ninguém tinha noção das grandes dimensões que iria tomar e que ele não iria ficar fazendo "terrorismo", dizendo que a economia poderia vir a piorar.

- Até setembro ninguém sabia ao certo o tamanho da crise. (...) Eu não ia fazer terrorismo: 'olha a economia vai afundar', eu não ia fazer isso. A economia estava bem, aquilo que dizíamos estava correto. (...) Tenho assumido as dificuldades, mais do que isso, temos tomado medidas muito rapidamente- afirmou.