Irani deve superar vendas de crédito

SÃO PAULO, 28 de maio de 2009 - A Celulose Irani (RANI3 e RANI4), primeira empresa do setor de papel e embalagem a iniciar a venda de créditos de carbono, deve superar neste ano o volume de 200 mil toneladas do produto gerados e vendidos.

A companhia iniciou a venda de créditos em 2005, com seu projeto Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) Usina de Co-Geração. A Shell e a Cargill tornaram-se clientes da empresa, com a compra de créditos gerados, respectivamente, entre 2005 e 2007, e 2008 e 2012. Nos últimos quatro anos foram gerados e contabilizados 613 mil CERs (Certified Emission Reduction - Reduções Certificadas de Emissões), créditos que somam um total líquido de R$ 6,9 milhões.

Em 2008, foi aprovado outro projeto de MDL, o da Estação de Tratamento de Efluentes. A EcoSecurities fechou contrato com a empresa referente aos créditos gerados entre os anos de 2008 e 2012. Estão em fase de emissão 53.247 créditos, gerando um valor para a Irani de aproximadamente R$ 2,3 milhões.

No ano passado, ainda foram negociados no mercado voluntário 58.689 créditos de carbono advindos deste projeto, gerando um valor líquido de R$ 431 mil. No total, a Irani teve receitas líquidas de R$ 5,1 milhões com venda de créditos de carbono gerados em 2008.

´Os resultados da Irani formam um case prático de gestão do carbono. Geramos ganhos ambientais, sociais e econômicos, como preconiza o conceito de gestão do ´tripple bottom line´´, completa Odivan Cargnin, diretor administrativo-financeiro e de relações com investidores da Irani.

(Redação - InvestNews)