Inadimplência é a maior em quase 9 anos

SÃO PAULO, 27 de maio de 2009 - A inadimplência média dos empréstimos livres, considerados os atrasos superiores a noventa dias, saltou de 5% para 5,2% na passagem de março para abril, informou hoje o Banco Central (BC). Este é o maior nível desde outubro 2000 (5,3%). Segundo a Nota sobre Política Monetária e Operações de Crédito, o resultado reflete a redução de 0,2 ponto na inadimplência do segmento de pessoas físicas, situada em 8,2%, e o acréscimo de 0,3 ponto nos atrasos relativos às operações com pessoas jurídicas, que corresponderam a 2,9% da carteira.

O BC informou ainda que as operações de crédito para empresas recuaram 0,5% em abril, refletindo o decréscimo de 5% nas modalidades referenciadas em recursos externos. "Esse movimento decorre do efeito da apreciação cambial, que resultou na redução dos valores das operações em reais". No entanto, descontado esse efeito, o saldo das operações com recursos externos apresentaria elevação de 0,9%.

As modalidades lastreadas em recursos domésticos, saldo de R$ 304,3 bilhões, mantiveram trajetória de expansão, com variação de 0,8% explicada, principalmente, pelas operações de capital de giro. O saldo das operações dessa modalidade aumentou 1,5% no mês e 54,3% em doze meses, condicionado, como nos últimos meses, por operações voltadas à atividade de extração de petróleo.

Já os empréstimos para pessoas físicas atingiram saldo de R$ 286,7 bilhões em abril, um incremento de 1,8% em em relação a março e de 11,1% em doze meses. "Esse desempenho traduz, sobretudo, a evolução da carteira de crédito pessoal, que cresceu 3,8% no mês, alcançando R$ 139,7 bilhões, com relevante participação dos empréstimos consignados", destaca o BC.

Já o custo médio do crédito referencial caiu de 39,2% em março para 38,6% ao ano em abril. Este é o menor patamar desde junho de 2008.

(Vanessa Stecanella - InvestNews)