Desemprego nas regiões metropolitanas fica estável

Jornal do Brasil

DA REDAÇÃO - Após três meses de aumento, a taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo e no conjunto de seis regiões metropolitanas pesquisadas pela Fundação Seade e pelo Dieese ficou praticamente estável em abril em relação a março deste ano. Segundo a entidade, a taxa de desemprego no centro populacional paulista ficou em 15% em abril, praticamente estável em relação aos 14,9% apurados em março.

Já nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo e Distrito Federal, a taxa ficou em 15,3% no mês passado, praticamente estável em relação aos 15,1% do mês anterior. Em abril, o número de desempregados aumentou em 69 mil pessoas nas seis regiões, para cerca de 3 milhões de pessoas.

A indústria paulista voltou a liderar as demissões em abril, dispensando 57 mil pessoas. O comércio, que foi o setor que mais dispensou em março, demitiu 5 mil pessoas no mês passado. Já o segmento de serviços contratou 60 mil pessoas em abril e o grupo outros serviços contratou 30 mil pessoas.

A indústria liderou as demissões em abril nas seis regiões metropolitanas, e eliminou 53 mil postos de trabalho. O comércio, que também registrara o pior resultado no mês de março no conjunto das seis capitais, dispensou em abril apenas 5 mil pessoas. Já o setor de serviços contratou 79 mil empregados; a construção civil, 33 mil; e o grupo outros setores, que inclui serviços domésticos, dispensou 2 mil pessoas. O rendimento médio real (descontada a inflação) dos ocupados na região metropolitana de São Paulo caiu 0,6% em março ante fevereiro, e 2,8% ante março do ano passado, passando a R$ 1.238. No conjunto das seis regiões pesquisadas caiu 0,8% em março ante fevereiro, e subiu 1,4% ante março de 2008, passando a equivaler a R$ 1.203.