Depois de bater os 53 mil pontos, bolsa cai 0,09%

SÃO PAULO, 27 de maio de 2009 - Depois de operar em alta boa parte da sessão, chegando a superar os 53 mil pontos pela primeira vez desde setembro do ano passado, o índice acionário da BM&FBovespa cedeu à pressão externa e acabou encerrando a quarta-feira em leve queda de 0,09%, aos 51.791 pontos. O giro financeiro somou R$ 5,3 bilhões.

Durante a manhã, os investidores reagiram de forma bastante positiva à divulgação da notícia de que o Bank of America (BofA) conseguiu levantar quase US$ 26 bilhões, o que representa 76% do total apontado pelo governo norte-americano no teste de estresse, divulgado no início do mês. O BofA precisaria de US$ 33,9 bilhões, de acordo com o documento. Na semana passada, a instituição já havia levantado US$ 13,5 bilhões por meio da emissão de 1,25 bilhão de ações.

No mesmo sentido, a agenda de indicadores econômicos norte-americanos continuou trazendo notícias positivas. Desta vez foi a venda de imóveis usados que chamou a atenção. A comercialização de imóveis usados atingiu 4,68 milhões em abril, mais do que o esperado pelo mercado (4,66 milhões). Em março, as vendas chegaram a 4,55 milhões.

Mas nem tudo caminhou para o sentido positivo. A montadora General Motors (GM) informou que fracassou a tentativa de reestruturação da sua dívida obrigatória. Segundo a própria montadora houve um apoio "significativamente menor" que o esperado por parte dos credores. O plano de convencer 90% de donos dos papéis da montadora a trocar US$ 27 bilhões em títulos de dívida por 10% de participação em uma companhia reorganizada não conseguiu atingir a meta de redução do débito definida em consulta com o governo norte-americano. "As notícias da GM ainda são bastante nebulosas", afirma Osmar Camilo, analista da Socopa Corretora.

"Estamos num ponto de inflexão já que não se sabe se a antecipação, pelo mercado, da melhora econômica irá se realizar. Caso não se confirme, pode haver uma realização. Por aqui, devemos continuar no movimento do fluxo de estrangeiros", completa o executivo.

Nesta quarta-feira, os destaques de alta foram Gerdau PN (+3,63%), Klabin PN (+3,13%) e Redecard ON (+2,99%). No sentido oposto figuraram Sabesp ON (-4,38%), Cosan ON (-3,93%), Embraer ON (-3,54%).

A estabilidade dos papéis da Petrobras - em resposta a alta do petróleo no mercado internacional - também ajudar o Ibovespa a encerrar a sessão com queda menor que a registrada em Wall Street. As ações preferenciais da estatal petrolífera terminaram o dia cotadas a R$ 33,74.

(Vanessa Correia - InvestNews)