Brasil pode precisar de petróleo a US$ 60 para pré-sal

Rádio das Nações Unidas

NOVA YORK - A Petrobras pode precisar que o preço referencial do petróleo seja de cerca de US$ 60 o barril para explorar com rentabilidade a área do pré-sal, afirmou o Cambridge Energy Research Associates (CERA).

- Avaliamos a economia e acreditamos que (o petróleo do pré-sal do Brasil) pode ser desenvolvido com o WTI ou o Brent a US$ 60 - disse Enrique Sira, diretor do CERA para América Latina e co-autor de um relatório sobre o pré-sal do Brasil.

- Se tudo for bem, a Petrobras e os parceiros podem chegar a um nível de produção significativo após 2019 - disse.

A Cera afirmou no entanto que sua estimativa de US$ 60 o barril é preliminar, e esclareceu que a Petrobras pode conseguir explorar os blocos com o petróleo entre US$ 45 e US$ 60, mas que US$ 40 já não seria atrativo.

No Plano de Negócios da companhia a estimativa é de que a exploração no pré-sal é viável a US$ 45 o barril.

A Petrobras e seus parceiros encontraram até agora até 14 bilhões de barris recuperáveis de petróleo no pré-sal desde 2007, um afaixa que se estende do Espírito Santo a Santa Catarina.

As estimativas não oficiais para o total dos reservatórios variam entre 30 bilhões a 100 bilhões de barris, rivalizando com as descobertas da Europa no Mar do Norte na década de 1970.

Mas as estimativas sobre o preço do petróleo necessário para ser viável explorar essas reservas variam - o petróleo está localizado sob 5 km a 8 km de água, areia, pedras e sal. Nesta quarta-feira, o petróleo nos Estados Unidos fechou cotado a US$ 63,45 o barril.

Petrobras, BG Group e Galp Energia iniciaram neste mês um teste de longa duração em Tupi, que contém de 5 bilhões a 8 bilhões de barris de óleo equivalente.

A Petrobras e analistas concordam que mais testes de longa duração precisam ser realizados antes de os custos do pré-sal serem determinados.

- Esse tipo de reservatório é irregular - disse Sira.

O CERA acredita que o Brasil contará com amplo financiamento e conhecimento de empresas privadas para explorar as reservas do pré-sal.

- O tamanho do desafio, a quantidade de recursos e a complexidade dos planos sugerem que esse não é trabalho para uma única empresa - disse Sira.