Com Dilma no poder, vou comandar Petrobras, diz Lula

Jornal do Brasil

DA REDAÇÃO - Sem saber que estavam sendo ouvidos pela imprensa, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu colega venezuelano Hugo Chávez discutiram terça-feira o projeto de uma refinaria em Pernambuco, cujo modelo de construção conjunta ainda carece de acordo.

Se eu conseguir eleger a Dilma (Rousseff, ministra da Casa Civil), vou ser o presidente da Petrobras e você (José Sérgio) Gabrielli vai ser meu assessor brincou Lula, referindo-se ao atual presidente da estatal brasileira.

Apesar de frustrado com a falta de acerto entre a Petrobras e a estatal venezuelana de petróleo PDVSA em torno da refinaria de Abreu Lima (PE), Chávez ainda dizia que esse acordo vai sair .

Os dois presidentes estavam reunidos junto com ministros e assessores em um hotel de Salvador (BA) quando o som do sistema de tradução simultânea chegou até a área onde estavam os jornalistas. Pouco depois, o vazamento de som foi corrigido.

Prorrogação

Antes disso, ficou claro que Brasil e Venezuela não conseguiram conseguido chegar a acordo sobre a finalização das obras da refinaria binacional Abreu e Lima, no Estado de Pernambuco. As discussões sobre o empreendimento foram prorrogadas por mais 90 dias.

A partir do vazamento do som, os jornalistas escutaram Chávez destacar que os desacordos relativos à refinaria concentram-se em três pontos: o preço fixado para o petróleo venezuelano a ser usado no empreendimento, o custo dos investimentos para concluir as obras e as normas contratuais sobre a comercialização.

Segundo o presidente venezuelano, é frustrante ver que há empresas de muitos países atuando na na faixa do Rio e que a Petrobras não está ali.

Seguidamente, o presidente Lula respondeu que compartilhava a frustração com Chávez. Num ambiente de descontração, Chávez chegou a brincar com Lula dizendo que a Venezuela passa por uma fase de nacionalizações que não inclui as empresas brasileiras, provocando uma gargalhada geral na reunião. Pouco depois, técnicos da Presidência da República, recolheram os aparelhos de tradução simultânea que originaram o vazamento de som.

Desacordo

A refinaria Abreu e Lima é um projeto de US$ 4 bilhões destinado a processar petróleo pesado do Brasil e da Venezuela, objeto de compromisso firmado entre Lula e Chávez.

No fim de 2007, por falta de acordo, a Petrobras decidiu iniciar as obras sem sua parceira venezuelana, a PDVSA. Com isto esperava que fosse firmado acordo para garantir o aporte de 60% de petróleo da estatal brasileira e de 40% de sua congênere venezuelana.

Inicialmente, previa-se como contrapartida a participação da Petrobras na exploração de poços na faixa venezuelana do delta do Orinoco.

A refinaria deveria entrar em funcionamento em 2011, com capacidade para processar 200 mil barris de petróleo por dia.