Inflação sobe 0,7% em abril

SÃO PAULO, 12 de maio de 2009 - O Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) na Alemanha subiu 0,7% em abril frente abril de 2008. Segundo o Instituto Federal de Estatística (Destatis), na comparação com março de 2009, o índice permaneceu inalterado. Em março deste ano, a taxa de inflação ascendeu a 0,5%. A estimativa para abril de 2009 foi, assim, confirmada.

De acordo com o Destatis, a inflação em abril foi o resultado de tendências opostas. Devido às férias da Páscoa, em abril (em 2008, a Páscoa foi em março), o índice apontou aumento em relação ao ano anterior nos preços de pacotes de férias (16,5%), viagens aéreas (6,9%) e serviços de alojamento (4%), o que conduziu a uma crescente taxa de inflação temporariamente, no mês passado.

Já os preços de energia caíram 5,2% em abril de 2009 ante abril do ano anterior. Enquanto os preços dos produtos de óleo mineral foram consideravelmente inferiores aos do ano anterior (líquido combustível: -35,6% e os combustíveis: -14,5%), foi observado um aumento nos preços dos aparelhos domésticos de fontes de energia como o gás (4,7%) e eletricidade (6,9%) e taxas de aquecimento central e remoto (12,8%). Sem considerar os produtos energéticos, a taxa de inflação em abril de 2009 teria sido significativamente mais elevada (1,4%).

Pela primeira vez desde março de 2006, os preços dos alimentos ficaram abaixo do nível do ano anterior, em -0,6%. Em relação ao ano anterior foram observadas reduções dos preços de alguns produtos lácteos (por exemplo, requeijão: -24,9%; creme: -23,3%; nata do leite fresco integral: -18,0%; e manteiga (-17,3%). Em abril de 2009, os preços das frutas foram consideravelmente inferiores aos do ano anterior, também (-5,8%, incluindo as uvas: -12,0%; bananas: -4,8%). Aumentos foram observados para a carne e produtos à base de carne (3,9%; incluindo costeleta de porco ou bife à milanesa: 7,1%; fritar salsicha: 6,4%; carne picada: 5,5%) e de confeitaria (2,7%, incluindo o mel: 22,3%; tabletes de chocolate: 3,6%).

Na comparação anual a tendência dos preços para bens de consumo duráveis (-0,2%) continuaram a ser mais favorável. Preços significativamente mais baixos foram observados, por exemplo, em equipamentos de processamento de informações (-13,1%, incluindo notebooks: -19,0%) e da eletrônica de consumo (-11,0%, por exemplo, televisores: -25,4%). A queda também foi perceptível para comunicação (-2,7%, incluindo telefones móveis: -8,8%) e educação (-5,3%).

(PD - InvestNews)