DIs seguem reduzindo prêmios na BM&FBovespa

SÃO PAULO, 12 de maio de 2009 - Desde a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) a curva de juros futuro vem reduzido os prêmios dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) diante da expectativa cada vez maior de que a taxa Selic continuará caindo. O DI com vencimento em janeiro de 2010, o mais líquido, apontou taxa anual de 9,41%, ante 9,43% do ajuste anterior.

Os números do emprego industrial divulgados hoje também contribuíram para reduzir as projeções dos contratos de DI, pois, reforçam as apostas de cortes nos juros. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o emprego caiu 0,6% em março frente a fevereiro, na série com ajuste sazonal - a sexta retração consecutiva, acumulando perda de 5,8% frente ao nível anterior a outubro do ano passado, quando a crise mundial teve maior impacto na atividade doméstica. Na comparação anual, a queda é de 5%.

Segundo Miriam Tavares, diretora da AGK corretora, os números do IBGE alimentam as perspectivas de que não há ambiente para pressão inflacionária e que o colegiado do Banco Central (BC) precisa se mexer para estimular a indústria. Tanto que nos mercados, vem ganhando força a precificação de redução de 0,75 ponto porcentual no juro, com possibilidade de até 1 ponto no encontro do mês que vem. Atualmente, a taxa Selic está em 10,25% ao ano.

Outro assunto que vem reforçando a possibilidade de novas reduções na taxa básica de juros da economia brasileira, segundo José Francisco Lima Gonçalves, economista chefe do Banco Fator é a possível alteração no rendimento da poupança que vem sendo discutida pelo governo.

(Maria de Lourdes Chagas - InvestNews)