Confiança do consumidor tem pouca melhora em maio

SÃO PAULO, 12 de maio de 2009 - A expectativa da estabilidade de preços e os estímulos pontuais do governo para expandir a atividade econômica aumentaram mesmo que de forma discreta a confiança dos consumidores paulistanos em maio, segundo a Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio). Em maio, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fecomercio subiu 0,7% em relação ao mês anterior, registrando 125,7 pontos. Mas na comparação com igual período do ano passado, o indicador registrou queda de 15,6%. O ICC varia numa escala de 0 a 200 pontos, indicando pessimismo abaixo de 100 pontos e otimismo acima desse patamar.

De acordo com a análise da entidade, o pequeno aumento do índice neste mês ainda envolve muitas incertezas devido ao momento da instabilidade macroeconômica do país. Porém vale destacar o aumento de confiança por parte dos paulistanos com 35 anos ou mais, que registrou uma variação de 6,8% chegando a 131,1 pontos. "Esse otimismo pode ser explicado pela crença em que os desdobramentos da atual conjuntura não afetarão as expectativas", explica Thiago de Freitas, economista da Fecomercio.

No caminho contrário, os consumidores com menos de 35 anos demonstraram maior insatisfação neste mês, apresentando uma queda de 4,4% chegando a 131,5 pontos. Freitas acredita que esse resultado deve-se à falta de experiência com períodos de crise, que no atual cenário faz diferença na análise entre os mais jovens daquela feita entre os mais velhos.

A análise do ICC é composta por dois indicadores: o Índice das Expectativas do Consumidor (IEC), que determina a percepção dos consumidores em relação à situação futura, e o Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA), que mede o grau de otimismo em relação à situação presente. O IEC apresentou variação mensal de 1,2%, registrando 131,3 pontos.

Por sua vez, o ICEA apontou uma ligeira queda de 0,1%, registrando 117,4 pontos. "É importante ressaltar que o resultado apurado pelo ICEA está relacionado diretamente com a percepção que o consumidor faz sobre sua segurança em termos de emprego e renda", afirma.

Freitas explica que a discordância entre o IEC (1,2%) e o ICEA (-0,1%) é o fato de que o consumidor, embora apreensivo e cauteloso quanto ao atual panorama macroeconômico, principalmente em termos de emprego e rendimentos, ainda mantém boas perspectivas para sua situação futura, acreditando que o nível de atividade econômica pode se recuperar no médio prazo.

Quanto à segmentação por faixa de renda, destacam-se os consumidores com renda superior a 10 salários mínimos, normalmente com maior acesso à informação e com melhores condições para uma avaliação mais pontual. Houve um aumento de confiança de 9,3%, chegando a 132,4 pontos. Em relação ao sexo, os homens foram os principais responsáveis pela queda do ICEA com baixa de 2,2%, atingindo 119,4 pontos. 'Os homens partem de um patamar mais elevado com relação ao ICEA, e essa diferença de comportamento pode representar um ajuste de expectativas entre os sexos', conclui o economista da Fecomercio.

(Redação - InvestNews)