S&P estima queda de 5,5% no PIB do país

SÃO PAULO, 11 de maio de 2009 - A agência Standard & Poor's (S&P) rebaixou de estável para negativa a perspectiva a nota soberana do México e estimou queda de 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2009. Segundo a S&P, a baixa reflete a 'avaliação sobre a deterioração das posições fiscais e externa', disse a analista Lis Schineller.

De acordo com ela, a perspectiva combina com a possibilidade de que o Congersso, devido às eleições legislativas em 5 de julho, não resolva adequadamente a falta de flexibilidade na política fiscal do país.

Ao mesmo tempo, a instituição confirmou os ratings em moeda estrangeira de longo prazo de 'BBB+' e de curto prazo de 'A-2', e em moeda local de largo prazo de 'A+' e de curto prazo de 'A-1'.

Como em outros países, a S&P espera que a posição fiscal do México se deteriore este ano e em 2010, mas estima que o país enfrente um panorama 'desafiante' por sua dependência da receita do petróleo, ausência de economia fiscal e baixa base tributaria fora da área petroleira. A estatal Petróleos Mexicanos (Pemex), a principal empresa do país, aporta cerca de 40% dos ingressos fiscais do país.

A agência também estima que a economia mexicana vai cair 5,5% em 2009 'e terá um modesto crescimento real do PIB de 1% em 2010.' Na semana passada, o ministro da Fazenda, Augustín Carstens, admitiu que o país está em recessão e estimou que o PIB cairá 4,1% neste ano, incluindo 0,3% do impacto econômico da gripe suína.

(Redação com agências internacionais - InvestNews)