Saldo da balança anima e favorece real

SÃO PAULO, 11 de maio de 2009 - O dólar chegou a subir contra o real nesta segunda-feira, após testar mínimas não observadas desde outubro passado. No entanto, números animadores da balança comercial e o fluxo de estrangeiros colocaram de volta a moeda em trajetória de queda. No fim da manhã, a divisa norte-americana cedeu 0,87%, para R$ 2,053 na venda.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento, a balança comercial do País registra superávit de US$ 7,269 bilhões de janeiro até a primeira semana de maio, volume 68% superior ao acumulado em igual período de 2008. No ano, as exportações somam US$ 46,422 bilhões e as importações US$ 39,153 bilhões, com uma média diária de US$ 539,8 milhões e US$ 455,3 milhões, respectivamente.

De acordo com analistas, os players operam atentos à possibilidade de novas intervenções do Banco Central (BC), que na semana passada voltou às compras no mercado à vista e também leiloou contratos de swap cambial reverso. Em nota, a autoridade monetária comunicou que os leilões não visam segurar o preço da moeda, mas sim recompor as reservas internacionais aproveitando bom momento de fluxo.

Nos mercados acionários, a corrida pelos ganhos recentes leva os índices para o vermelho. Além dos movimentos de realização de lucro, o recuo no preço das commodities e principalmente, das ações de bancos derrubam as bolsas. Em Wall Street, por exemplo, Dow Jones perdia 1,25%. Por lá, rumores de que a seguradora AIG e o governo norte-americano estão elaborando a reestruturação total da empresa, em um projeta que duraria 45 dias, ajuda a derrubar as ações em 6,5%.

(Simone e Silva Bernardino - InvestNews)