Bolsa segue movimento externo e cai 0,82%

SÃO PAULO, 11 de maio de 2009 - Com as principais bolsas mundiais desfazendo suas posições, a bolsa brasileira acompanhou o movimento e terminou com desvalorização. As ações do setor bancário também influenciaram o desempenho. Ao final dos negócios, o índice acionário da BM&FBovespa registrou declínio de 0,82%, aos 50.976 pontos. O giro financeiro ficou em R$ 4,12 bilhões.

Durante a sessão, os investidores agiram com cautela diante da falta de clareza sobre sinais de melhora na economia mundial. "O Ibovespa passou por uma realização natural, acompanhando as principais bolsas de Nova York. Outro ponto foi que hoje os estrangeiros não atuaram de forma agressiva como na semana passada", afirma José Costa Gonçalves, diretor da Indusval Corretora.

Além disso, especulações no mercado levantam a possibilidade do Bank of America ter de vender sua participação de cerca de 5% do capital total do ItaúUnibanco, com valor aproximado de US$ 3 bilhões. Isso porque, especula-se que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) estaria ou não obrigando a instituição a desfazer suas posições frente a necessidade de levantar US$ 34 bilhões, resultado dos testes de estresse. No final do pregão, as ações preferenciais do ItauUnibanco reportaram queda de 2,60%, cotadas a R$ 29,58.

No Brasil, sem indicadores relevantes agendados na sessão, os agentes acompanharam a divulgação do Boletim Focus. A perspectiva do mercado financeiro para o desempenho da atividade econômica este ano voltou a piorar na última semana. Os analistas decidiram elevar a previsão de retração do Produto Interno Bruto (PIB), passando de -0,30% para -0,44%. Em relação à inflação, os profissionais acreditam que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) vai subir 4,36%. Em 2009, contra previsão de alta de 4,3% feita na semana anterior.

No âmbito corporativo, a Light (LIGT3), holding que atua no segmento de energia elétrica, anunciou lucro líquido de R$ 168 milhões no primeiro trimestre de 2009, volume 60,6% maior em relação ao mesmo período do ano anterior. Ao final dos negócios, as ações ordinárias da companhia recuaram 0,40%, cotadas a R$ 24,30.

Na direção contrária, o Banco Pine mostrou lucro líquido de R$ 20,07 milhões de janeiro a março deste ano, mostrando queda de 51% frente ao mesmo período de 2008, quando a instituição financeira lucrou R$ 41,380 milhões. Com o término do pregão, os papéis preferenciais da instituição financeira marcaram valorização de 0,89%, negociados a R$ 6,75.

Dentre os destaques positivos do Ibovespa estão: JBS ON (+4,05%), a R$ 6,67; Usiminas ON (+3,68%), a R$ 34,32 e TIM ON (+2,52%). No sentido oposto, Cosan ON (-6,25%), a R$ 15,75 e Gafisa ON (-5,30%), a R$ 19,11.

(Déborah Costa - InvestNews)