Lucro líquido da Energisa cresce 42% no tri

SÃO PAULO, 8 de maio de 2009 - A Energisa (ENGI3; ENGI4), companhia responsável por cinco distribuidoras de energia localizadas nos estados de Sergipe, Paraíba, Minas Gerais e Rio de Janeiro, registrou lucro líquido consolidado de R$ 66,5 milhões no primeiro trimestre de 2009, um crescimento de 42% na comparação com igual período de 2008.

De acordo com comunicado, o resultado foi influenciado principalmente pelo desempenho da Energisa Sergipe, cujo lucro líquido aumentou 325,6% no trimestre em relação ao mesmo intervalo do ano passado, alcançando R$ 34,9 milhões.

A receita operacional bruta também se destacou entre os números do trimestre ao subir 6% na comparação anual e chegar a R$ 649,1 milhões.

"Entre os destaques para melhoria do resultado trimestre, aponto o aumento da base de clientes, que é o fator indutor do crescimento das vendas de energia elétrica. A despeito da crise financeira global mantivemos um crescimento das vendas de 4,1% perante um decréscimo de 3,1% apresentado na média do país", afirma Maurício Perez Botelho, diretor financeiro e de Relações com Investidores da Energisa.

Nos primeiros três meses do ano, o número de consumidores atendidos pelas empresas da Energisa subiu 4,5% em relação a igual trimestre de 2008, chegando a 2,187 milhões. O consumo de energia na área de concessão das distribuidoras da companhia somou 1.624,6 GWh, no mesmo período. "Aumentar a base de clientes é um importante vetor para o crescimento da receita", observa Botelho.

Em maio de 2009, o Grupo Energisa fez o lançamento da pedra fundamental de três Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) no estado do Rio de Janeiro: Caju, Santo Antônio e São Sebastião. As usinas terão capacidade total instalada de 31,2 MW e produção anual de 157,4 GWh. A energia produzida por essas usinas será comercializada no ambiente de contratação livre.

Todas as três PCHs estão localizadas no rio Grande, na região Serrana do estado do Rio de Janeiro, próximo à cidade de Nova Friburgo, o que garantirá sinergia entre os projetos. A conclusão das obras está prevista para o primeiro semestre de 2010. Os investimentos somam cerca de R$ 200 milhões. O financiamento de 75% do empreendimento foi enquadrado no BNDES, cujos termos prevêem prazo de amortização em 14 anos após a construção.

A Energisa prevê investir no biênio 2009/2010 aproximadamente R$ 799 milhões, dos quais R$ 213 milhões em geração de energia. De um plano de implantar 200 MW até 2014, o Grupo tem 170 MW em projetos de geração hidrelétrica a serem desenvolvidos. Desses, 31,2 MW correspondem às PCHs já em construção e outros 17 MW já têm licença ambiental prévia.

(Redação - InvestNews)