Municípios da Amazônia contarão com serviço até 2010

SÃO PAULO, 5 de maio de 2009 - Todos os municípios-sedes da Região Amazônica deverão estar cobertos com serviço de telefonia celular até abril do ano que vem. A obrigatoriedade foi estipulada em 2007, quando a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) leiloou as frequências da terceira geração da telefonia móvel (3G).

Segundo o gerente de regulamentação da Superintendência de Serviços Privados da Anatel, Bruno Ramos, ainda assim muitas localidades ficarão sem cobertura, mas a chegada às sedes vai facilitar a expansão do serviço para os locais mais distantes.

"Hoje eu tenho uma dificuldade até para chegar no distrito-sede. A partir daí, com uma estrutura de transmissão, eu posso fazer a extensão mais facilmente" , disse hoje (5), em audiência pública da Comissão da Amazônia da Câmara dos Deputados, em que se discutiu a situação da telefonia celular na região.

Segundo ele, a principal dificuldade para que a telefonia celular chegue à região é relativa à transmissão. "É preciso passar o cabo em cima da árvore, porque se passar pelo chão, alaga. É muito complicado" , explicou.

Ramos também informou que a Anatel deve lançar este ano o edital para a última banda de 3G, com novas obrigações para as operadoras. Para ele, além da fiscalização, a melhor maneira de promover a qualidade dos serviços e do atendimento no setor de telefonia é estimular a competição. "Se você está em uma cidade e tem apenas um provedor de serviços de telecomunicações, você vai engolir e ficar nele. Mas se você tem alternativas, isso vai fazer com que ele corra atrás", disse.

O presidente da Associação das Operadoras de Celulares (Acel), Emerson Costa, lembrou que a telefonia celular já atinge 88,3% da Região Amazônica, enquanto a cobertura em todo o Brasil gira em torno de 92%. Segundo ele, as empresas estão cumprindo com o compromisso firmado com a Anatel e terão condições de oferecer cobertura a todos os municípios-sedes até abril de 2010.

Ele admitiu que a Amazônia é menos atrativa para investimentos das operadoras, mas lembrou que as empresas podem trabalhar em projetos de expansão na região. "A Amazônia é uma região menos atraente, em comparação com as outras. Mas o que estamos vendo é que, com o desenvolvimento da região, possa aumentar a vontade das empresas de investir", afirma.

As informações são da Agência Brasil.

(Redação - InvestNews)