Bernanke aposta em recuperação ainda este ano

SÃO PAULO, 5 de maio de 2009 - O presidente do Banco Central dos EUA (Federal Reserve, na sigla em inglês), Ben Bernanke, espera que a atividade econômica atinja o menor nível e depois se recupere ao final deste ano. O chairman discursou nesta manhã em Washington ao Comitê Econômico do Congresso. Para ele, o mercado imobiliário já traz sinais positivos.

"Os elementos chave para esta projeção são as nossas avaliações de que o mercado imobiliário começa a se estabilizar e que a aguda liquidação dos estoques irá desacelerar nos próximos trimestres", disse ele. Os contratos de compra e venda de imóveis usados apresentaram avanço em março. Além disso, os gastos com construção subiram de forma inesperada em março.

Para ele, a economia deverá se manter abaixo do potencial por um longo período, o que implica em dizer que a atual folga na utilização da capacidade irá aumentar ainda mais. Bernanke destacou, entretanto, que a projeção assume uma gradual e continuada reparação do sistema financeiro. "Uma recaída nas condições financeiras poderiam arrastar a atividade econômica e poderia barrar a recuperação".

"As condições em alguns mercados financeiros melhoraram nas últimas semanas, refletindo em parte alguns dados econômicos mais encorajadores. Entretanto, os mercados financeiros e as instituições financeiras se mantêm sob um estresse considerável, e quedas acumuladas nos preços dos ativos, condições apertadas de crédito, e maiores níveis de aversão ao risco devem continuar a pesar sobre a economia".

Apesar disso, Bernanke destaca que recentemente os mercados de funding (levantamento de capital) de curto prazo começaram a funcionar um pouco melhor, o que contribuiu a um menor uso dos instrumentos de liquidez do Federal Reserve. Além disso, a utilização dos acordos de swap de moedas com bancos centrais estrangeiros também recuou com a melhora das condições.

Sobre a inflação, Bernanke projeta a queda dos preços por algum tempo durante o próximo ano, para só então retomar o ritmo de 2008. "Realmente, devido ao tamanho da margem da folga no uso dos recursos e da diminuída pressão de custos do petróleo e outras commodities, a inflação poderá se mover para baixo".

Bernanke também falou sobre os testes de estresse realizados com os 19 maiores bancos do país. Para ele, o teste deverá obrigar alguns deles a buscar capital adicional para se adequar às possíveis oscilações de capital e reservas em ambientes econômicos mais desfavoráveis do que os previstos.

"Eles terão seis meses para executar estes planos, com a segurança de que capital será fornecido pelo Tesouro sob o Programa de Assistência de capital, caso necessário", finalizou. Especulações sugerem que 10 bancos necessitarão de novos recursos. Os resultados sairão na quinta-feira.

(Gustavo Kahil - InvestNews)