Wall Street dispara

Agência AFP

NOVA YORK - A Bolsa de Nova York fechou em forte alta nesta segunda-feira, impulsionada por indicadores imobiliários melhores do que o previsto nos Estados Unidos, que alimentaram a ideia de uma recuperação próxima da economia: o Dow Jones ganhou 2,61% e o Nasdaq, 2,58%.

O Dow Jones Industrial Average subiu 214,33 pontos, a 8.426,74, e o Nasdaq ganhou 44,36 pontos, a 1.763,56.

O índice ampliado Standard & Poor's 500, ganhou 3,39% (29,72 pontos), fechando com 907,24 unidades, e voltou acima de seu nível de fechamento do dia 31 de dezembro. O S&P 500 disparou 34% desde seu mais baixo nível de fechamento, atingido em 9 de março.

"O estado da economia parece estar melhorando, o que significa que as empresas podem voltar a lucrar", explicou Marc Pado, da Cantor Fitzgerald. Neste contexto, "ninguém quer vender" ações, acrescentou.

Os indicadores do dia, referentes ao setor imobiliário (em crise há dois anos nos Estados Unidos), se agregaram a uma lista cada vez maior de estatísticas menos negativas que o previsto, que sugerem que o ritmo da degradação da atividade está caindo.

As promessas de vendas da casa própria aumentaram em março pelo segundo mês consecutivo. Os analistas esperavam números estáveis.

No mesmo mês, as despesas de construção aumentaram 0,3% em relação ao fevereiro, encerrando cinco meses de queda consecutivos, para a supresa do mercado, que apostava em um novo recuo.

Os valores bancários dispararam. Segundo Pado, o mercado pareceu "aliviado" com as primeiras informações filtradas. O título do Bank of America ganhou 19,31%, ficando em 10,38 dólares.

O mercado das obrigações subiu. O rendimento do bônus do tesouro de 10 anos recuou para 3,157%, contra 3,174% na noite de sexta-feira, e o de 30 anos para 4,065%, contra 4,088%.