Entrevista Luiz Comar: ainda há espaço para aéreas no Brasil

Gabriel Costa, Jornal do Brasil

MATA DE SÃO JOÃO (BA) - O gerente geral de Soluções de Negócio da Azul Linhas Aéreas, Luiz Comar, tem conhecimento de causa para falar sobre o mercado brasileiro de aviação civil. Após ter trabalhado nas aéreas de aeroportos, operações e cargas da Gol Linhas Aéreas e participado do processo de integração com a Varig, Comar foi convidado para fazer parte do time inicial da Azul. Quando ingressou na companhia, a equipe consistia em não mais que 20 pessoas, e o especialista foi registrado como o funcionário número 4 da empresa. Na Praia do Forte, Bahia, onde participou da 11ª edição do IT Fórum, Comar concedeu entrevista exclusiva ao JB.

O mercado de aviação civil brasileiro ainda tem espaço para mais companhias ou a Azul chegou para ocupar a última posição disponível no setor?

Quando você compara as malhas aéreas e as freqüências da América do Norte, Europa e Japão, por exemplo, com o Brasil, você vê que há muito espaço. O Brasil é um país de proporções continentais, e há muitas oportunidades para conectar cidades. Mas é um mercado que exige alto investimento e muita estrutura gerencial para se manter. A Azul buscou um modelo em que não compete necessariamente com as grandes companhias nem diretamente com as regionais, porque operamos com aviões menores do que os das companhias dominantes, mas maiores que os das regionais

Como a crise financeira tem afetado os negócios?

Temos obtido um bom resultado, mesmo durante essa fase de crise, e acreditamos que isso se deve ao fato estarmos operando mercados e trazendo mais gente para viajar de avião. Temos muitos clientes que estão voando pela primeira vez.

O avanço da gripe suína já causou algum impacto perceptível para as companhias aéreas?

Globalmente, sem dúvida, há uma preocupação muito grande. No Brasil, já temos novas determinações da Anvisa e da Anac, e a Azul já se mobilizou, já está adequada. Teremos algumas reuniões na semana que vem para amenizar o impacto disso, tanto sobre nossas operações quanto sobre o conforto dos passageiros. Mas ainda temos poucos reflexos disso.

Qual a opinião do senhor sobre a determinação da Infraero de interromper as chamadas no saguão dos aeroportos?

Durante o auge do apagão aéreo, fazia sentido que a pessoa, sabendo que seu vôo estaria atrasado, ficasse lá fora, onde há um espaço comercial. Agora que a situação já está mais estabilizada, não vejo impacto para o passageiro, até porque há uma tendência das próprias companhias levarem essas informações ao cliente de uma forma que não seja a sonora, como por celular.