Deflação do IGP-M diminui a 0,15% em abril

REUTERS

SÃO PAULO - A deflação pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) perdeu força em abril e foi inferior à esperada pelo mercado, devido em grande parte a uma recuperação dos custos de produtos agrícolas no atacado e a uma pressão no varejo.

O indicador declinou 0,15% em abril, ante queda de 0,74% em março, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta quarta-feira.

Analistas consultados pela Reuters previam um recuo de 0,25%, segundo a mediana de 27 respostas que variaram de baixa de 0,14 a 0,46%.

Entre os componentes do IGP-M, o Índice de Preços por Atacado (IPA) declinou 0,44% em abril, seguindo a queda de 1,24% em março.

O IPA agrícola passou de recuo de 2,82% em março para alta de 0,84% em abril. Já o IPA industrial acelerou o ritmo da queda, para 0,85% neste mês, ante declínio de 0,72% no anterior.

As principais altas individuais de preços no atacado foram de soja em grão, cana-de-açúcar, naftas para petroquímica, batata inglesa e fumo em folha.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,58% em abril, acima da elevação de 0,43% em março.

As principais pressões para cima vieram dos grupos Alimentação (alta de 1,13% neste mês ante 0,60% no anterior), Vestuário, Despesas Diversas (refletindo o reajuste dos cigarros) e Saúde e cuidados pessoais. Já os preços de Educação e de Transportes passaram a apresentar queda em abril após subirem em março.

As maiores altas individuais de preços no varejo foram de batata inglesa, mamão papaia, cigarro, leite longa vida e aluguel residencial.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) teve variação negativa de 0,01% em abril, ante baixa de 0,17% em março. As quedas estão refletindo a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para o setor de construção.

No ano, o IGP-M acumula queda de 1,07%, e nos últimos 12 meses tem alta de 5,38%.