Ministro pede aumento de empréstimos por Banco Mundial e BID

Portal Terra

BRASÍLIA - Após o Fundo Monetário Internacional (FMI) ter anunciado, nesta terça-feira, uma linha de crédito flexível para países emergentes com dificuldades por conta da crise financeira internacional, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, defendeu que os demais organismos multilaterais internacionais, como o Banco Mundial e o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), também ampliem suas capacidades de empréstimo para economias carentes.

Apesar de considerar que o Brasil não precisa, no momento, utilizar linhas de crédito dessa natureza, Bernardo não descartou a possibilidade de o País vir a ingressar nesse módulo de financiamento no futuro.

- O FMI, o Banco Mundial e o BID têm de aumentar a sua capacidade de emprestar. Aqui no Brasil nós não temos ido atrás de recursos dos organismos internacionais, mas os nossos Estados e os nossos municípios estão indo seguidamente. No caso do BID, nós temos R$ 8 bilhões de pedidos aprovados. Se houver recursos disponíveis, nós podemos financiar uma série de projetos que os estados estão atrás - destacou.

O FMI anunciou nesta terça uma linha de crédito flexível para os emergentes e a disponibilidade de o Japão investir US$ 100 bilhões nesse propósito. Atualmente, o Fundo Monetário já conta com US$ 250 bilhões para esses empréstimos.

- Nesse momento, não temos tanta necessidade, mas não dá para dizer não quero. Se for linhas de financiamento baratas (podemos aderir no futuro). Não dá para dizer que não queremos - disse.