Brascan fará 70% dos lançamentos na baixa renda

SÃO PAULO, 24 de março de 2009 - A Brascan Residential Properties deve focar no lançamento de imóveis no valor de até R$ 350 mil este ano, considerados de baixa e média renda, afirmou hoje Luiz Rogelio Tolosa, diretor executivo, de Relações Institucionais e de Relações com Investidores (RI) da companhia. "Vamos aumentar a participação nesse segmento com 70% dos lançamentos voltados para o público de baixa e média renda. Essa fatia da população sente menos a crise, uma vez que que o imóvel é bem de primeira necessidade, diferente da classe alta que busca muito mais por um investimento. O desempenho positivo só vai depender exclusivamente do nível de emprego, que é o único motivo que pode brecar uma compra nessa faixa de renda", aposta.

Segundo Nicholas Reade, diretor presidente da Brascan, outro impulsionador de vendas para a população de baixa renda deve partir do agurdado pacote de estimulo à construção, que o governo pode anunciar amanhã (25). "A expectativa é boa, pois deve melhorar as condições de crédito. Por outro lado, o pacote vai exigir uma área grande de terrenos para construir 1 milhão de casas. Entretanto, poucas incorporadoras tem esse banco de terrenos, o que deve gerar algum tipo de demora na implantação", avalia Reade.

O executivo destaca ainda que para evitar o cancelamento das vendas de empreendimentos lançados, a companhia realiza uma série de pesquisas para viabilizar o potencial do projeto. "Não é uma política da Brascan cancelar lançamento por baixa performance de vendas. Mas, caso o projeto se torne inviável, entendemos que não há prejuízo para o comprador que recebe de volta o seu investimento. De qualquer forma, temos pensado e pesquisado muito antes de fazer lançamentos para acertar produto, local e preço.

A Brascan teve lucro líquido de R$ 117,1 milhões no ano passado, uma queda de 38% em relação a 2007. A redução se deve as mudanças contábeis previstas na Lei 11.638, que impacta a contabilização das despesas comerciais e também das receitas da companhia.

(Vanessa Stecanella - InvestNews)